Spelunky 2 – Review

Spelunky 2 tem uma tarefa imensa na frente dele: provar que é necessário num mundo onde seu antecessor é um jogo praticamente perfeito. Será que ele consegue?

Em Spelunky 2, você começa o jogo controlando Ana, uma garota que chega na lua à procura da relíquia de Olmec, numa área que basicamente funciona como tutorial do jogo.

Aqui, você que já jogou Spelunky alguma vez na vida, provavelmente vai perceber que o jogo funciona de maneira bastante semelhante ao original. E  também que ele está tão difícil quanto, senão mais. Até mesmo para completar o tal do tutorial de Spelunky 2 eu morri mais do que eu imaginei que morreria.

Terminado o tutorial do jogo, a brincadeira começa de verdade. E a ideia de Spelunky 2 é basicamente a mesma que em Spelunky original, ou seja, chegar ao fim da tumba que você está explorando, e provavelmente morrer no meio do caminho por ter dado algum vacilo.

E é aí que a porca torce o rabo.

Pelo primeiro jogo ser praticamente perfeito, Spelunky 2 tinha que melhorar no que ele não acertava e continuar o que estava certo, correto? Foi mais ou menos isso o que o jogo fez.

Além de trazer alguns refinamentos de gameplay, o jogo também conta com diversos novos truques para os veteranos que já se sentiam confortáveis em explorar todos os cantos das masmorras, dar dribles nos fantasmas e assim por diante.

Spelunky 2 conta com diversas armadilhas novas, sejam elas armadilhas para ursos, plantas venenosas, locais onde você encosta e morre e assim por diante. As suas runs iniciais certamente serão bem curtas, e não se impressione se o seu tempo inicial médio seja de 45 a 50 segundos.

Além da campanha normal, o jogo ainda conta com um modo de arena, com dois tipos de jogos: um deathmatch, e um modo onde você tem que segurar o ídolo por mais tempo que seu adversário. Estes modos são bem divertidos para se jogar com os amigos, ou contra bots também.

Por ser um jogo extremamente rápido, Spelunky 2 é aquele tipo de game em que você pode jogar 5 minutos, parar, ir fazer outra coisa, e voltar pro jogo novamente. Infelizmente, no momento, as versões disponíveis do game não se prestam para isso, já que o jogo foi lançado para PC e PlayStation 4.

Lembro que na época de Spelunky original, quando o game foi lançado para PS3 e para PS Vita, o meu portátil acabou virando basicamente uma máquina de jogar Spelunky por meses, já que era fácil pegar o portátil, jogar uma ou duas, parar, fazer outra coisa e voltar pra ele durante o dia.

Graficamente, Spelunky 2 é um jogo muito bonitinho. Todos os personagens e inimigos são bem animdos, os cenários são ricos e muito coloridos. A trilha sonora do game também não deixa nem um pouco a desejar.

Mas e aí, Spelunky 2 vale a pena?

Spelunky 2 é o tipo de jogo que você joga, joga, joga e fica naquela de só mais uma e mais uma e mais uma. Diferente de um Dark Souls novo, entretanto, Derek Yu conseguiu criar truques novos que vão deixar desconfortáveis até mesmo os mais experientes na franquia por um bom tempo. Mais do que recomendado, só é uma pena não ter para nenhum portátil, pois este jogo é perfeito pra jogadas curtas e não pra você ficar abrindo o jogo toda hora ou ligando o console.

Review elaborado com uma cópia do jogo para PS4 Pro fornecida pela PlayStation Brasil.

Resumo para os preguiçosos

Spelunky 2 é o tipo de jogo que você joga, joga, joga e fica naquela de só mais uma e mais uma e mais uma. Diferente de um Dark Souls novo, entretanto, Derek Yu conseguiu criar truques novos que vão deixar desconfortáveis até mesmo os mais experientes na franquia por um bom tempo. Mais do que recomendado, só é uma pena não ter para nenhum portátil, pois este jogo é perfeito pra jogadas curtas e não pra você ficar abrindo o jogo toda hora ou ligando o console.

Nota final

85
Saiba mais sobre os nossos métodos de avaliação lendo o nosso Guia de Reviews.

Prós

  • Extremamente divertido
  • Diversos novos truques para pegar os veteranos de surpresa
  • Belos gráficos e trilha sonora

Contras

  • É o tipo de jogo perfeito para jogar num portátil e não num console ou PC
Eric Arraché

Eric Arraché Gonçalves é o Fundador e Editor do Critical Hits. Desde pequeno sempre quis trabalhar numa revista sobre videogames. Conforme o tempo foi passando, resolveu atualizar esse sonho para um website e, após vencer alguns medos interiores, finalmente correu atrás do sonho.

Publicado por