Estas são as coisas que Dragon Ball Heroes faz de errado

Dragon Ball Heroes trouxe um novo fôlego para a série, uma vez que foi capaz de preencher a lacuna deixada por Dragon Ball Super desde que o anime entrou em hiato. Porém, mesmo que o sucesso de Heroes esteja tornando o spin-off num dos maiores fenômenos mundiais, existem alguns detalhes poderiam torna-lo ainda melhor.

Mas afinal, o que Dragon Ball Heroes faz de errado?

Episódios curtos

Diferente da série principal, Dragon Ball Heroes conta com episódios mais curtos, com certa de 8 à 10 minutos cada. Esta característica sozinha não é algo necessariamente ruim, ainda mais num mundo onde temos cada vez mais demandas para consumir. Mas quando juntamos os episódios mais curtos com outro detalhe como…

Tudo acontece rápido demais

As coisas ficam um pouco mais complicadas, uma vez que acompanhar o que esta acontecendo pode se tornar um verdadeiro desafio. Ou seja, os episódios curtos que poderiam ser um ponto positivo acabam tornando-se pesado por abordar muitos pontos de uma vez, apresentando tudo de maneira condensada. Em alguns momentos isso pode ser algo positivo, mas existem situações em que um piscar de olhos pode fazer com que você perca todo fio da meada e precisa voltar alguns minutos para entender o que aconteceu.

Não possui um único foco

A ideia da série é abordar o já conhecido “Xeno-Verso”, mostrado em alguns jogos de Dragon Ball e etc. Mas ao invés de focar na Patrulha do Tempo, Dragon Ball Heroes tenta se mesclar demais com as versões da linha de tempo principal, limitando sua própria área de atuação – uma vez que sabemos que nada demais poderá acontecer com Goku e Vegeta “canons”, já que eles continuam vivos na série principal.

Se a série focasse na patrulha do tempo, na evolução do Super Saiyajin 4 e tudo mais, provavelmente teríamos mais novidades e arcos mais profundos.

Os vilões

Por mais que a proposta de alguns vilões seja pra lá de interessantes, algumas vezes acabamos dando com os burros n’água ao perceber que eles não são tudo aquilo que imaginávamos. Fuu acabou se provando uma cópia exata de Cell, já que era um constructo feito com o DNA de todos os guerreiros do Universo. Hearts também parecia ser diferente, mas no fim teve uma trama risível e tornou-se um vilão bastante “esquecível”.

Entende porque as vezes tocar tudo rápido demais pode acabar afetando mais do que deveria? Alguns desses vilões tinham potencial para render mais do que Moro em alguns casos, porém, deu no que deu.

O Fan Service

Como reclamar do fan service em uma série que nasceu para fazer fan service? Nessas horas dá pra invocar aquela célebre frase: “tudo que é demais, prejudica”. E é exatamente isso que eu quero dizer.

Colocar o Super Saiyajin 4 pra brigar com o Super Saiyajin Deus foi incrível, mas tudo aconteceu tão rápido motivado pela vontade de mostrar o próximo fan service que mal tivemos tempo de digerir o que acontecia.

Portanto, talvez o maior erro de Dragon Ball Heroes seja querer correr demais.

Confira também:

Super Dragon Ball Heroes é um anime promocional do cardgame de mesmo nome lançado exclusivamente no Japão.

O anime não tem uma periodicidade definida, entretanto, mas conta com algumas excelentes ideias de combate que não estão na história oficial de Akira Toriyama.

João Víctor Sartor

João Víctor Balestrin Sartor é colaborador e sex-symbol do Critical Hits. Admirador das boas histórias, almeja de verdade escrever um livro algum dia. Divide seu tempo entre à leitura, jogatina, trabalho, engenharia e quando sobra tempo, vive.