World of Warcraft: Legion – Review

No ar desde 2004, World of Warcraft é uma das maiores referências do mundo dos jogos quando o assunto é MMORPG, tanto pela sua quantidade de conteúdo quanto pela sua jogabilidade. Conforme suas expansões foram lançadas, o número de jogadores ativos do MMO teve seu ápice atingido em Wrath of the Lich King (2008) e o sua maior queda em Mists of Pandária (2012). Desde o lançamento de MoP, a Blizzard vêm tentando reconquistar todos aqueles que largaram o jogo por causa da expansão e  ao mesmo tempo está tentando recrutar novos jogadores. Mas será que Legion é uma expansão boa o suficiente para fazer isso? A resposta é sim.

Legion leva os heróis de Azeroth até as Ilhas Partidas, um conjunto de mapas inédito rico em conteúdo e história, para combater novamente a Legião Ardente, que está de volta graças aos esforços do bruxo Gul’Dan (Sim, o Gul’Dan do filme). Porém, diferente da invasão que ocorreu em Terralém durantes os eventos da expansão Burning Crusade, as forças da Legião estão em um nível nunca visto antes, com um exército gigantesco pronto para atacar toda Azeroth a qualquer momento. Cabe ao seu herói tentar parar o avanço da Legião e bani-los de volta ao seu mundo.

A primeira missão da expansão é um ataque direto das duas grandes facções de World of Warcraft (a Aliança e a Horda) à Costa Partida, que é o ponto central da invasão as Ilhas Partidas. Os jogadores lutarão lado a lado com os líderes das suas respectivas facções em uma das melhores missões que eu já vi dentro do MMO,  dilacerando hordas e hordas de demônios até se encontrarem no meio da Costa Partida, mas para a surpresa de todos, as duas facções deixam suas rivalidades de lado para enfrentar um inimigo que ameaça todo o planeta: A legião.

Essa missão termina com uma cutscene magnifica, e este é o primeiro ponto positivo de Legion: Todas as suas cutscenes, sem exceção, são sensacionais. Tanto a dublagem, quanto a música e até a própria animação são extremamente caprichadas e bem feitas. A Blizzard realmente acertou a mão neste quesito.

Ao fim de mais algumas missões, seremos levados a cidade de Dalaran e será iniciado a linha de quests do Salão de Classe, mais uma novidade da expansão. O salão de classe funciona de forma parecida com a Guarnição apresentada em Warlords of Draenor, com a diferença que não iremos apenas mandar os seguidores em missões por tempo para coletar recompensas e repetir o processo infinitamente. Essa função também está presente, mas dessa vez podemos levar nossos seguidores conosco por toda a Ilha Partida como ajudantes, que lutarão ao nosso lado contra a legião. Assim como nosso sugere, cada classe tem o seu próprio salão, e as missões, seguidores e o design do salão são diferentes para cada classe. Essa linha de quests nos recompensa com um Artefato, que nada mais é que uma arma lendária usada por algum herói (ou vilão) muito poderoso da história de Warcraft, como a Crematória de Tirion Fordring por exemplo.

Todas as quests do salão de classe são muito divertidas e recompensam o jogador com um item único e muito poderoso, que facilitará sua vida nas ilhas partidas.

No total, são seis mapas inéditos espalhados pela ilhas partidas, e cada um deles tem sua própria linha de quests que começa, se desenvolve e termina naquele mesmo mapa e não tem relação com os outros mapas da expansão, o que é muito bom. Cada mapa tem uma história rica e bem desenvolvida, com destaques para os mapas Trommheim e Val’Sharah, que trazem personagens lendários do Warcraft de volta ao jogo para enfrentar inimigos tão antigos quanto o início dos tempos.

Legion conseguiu resgatar a parte divertida de se fazer quests dentro do WoW, com missões muito bem pensadas e alguns flashbacks que nos deixam jogar como os heróis lendários do passado, o que é sempre uma experiência sensacional. Entretanto, o único ponto negativo que eu encontrei durante minhas horas de exploração das Ilhas Partidas está na parte de Item Level. Todos os itens do WoW tem um nível próprio que é diferente do nível do jogador , e para se ter acesso as Dungeons e Raids da expansão, e até mesmo as próprias missões dela, é necessário um conjunto de itens de um determinado nível.

A busca por itens com o nível necessário para as Raids e Dungeons em sua dificuldade máxima por exemplo, leva muitas horas e um pouco de sorte, o que pode (e provavelmente vai) frustar e desanimar jogadores mais casuais. E mesmo com os equipamentos no nível certo, ainda é preciso um grupo para poder desfrutar das Dungeons e Raids, e é um verdadeiro sacrifício encontrar  um grupo para fazer estas fases.

Não há muito a se falar sobre o gráfico do jogo, porque ele utiliza a mesma engine de 2004, só que muito mais polida. Entretanto, os mapas e cenários são muito bem trabalhados e diversificados, nenhuma área se parece com outra dentro da expansão. A trilha sonora enquanto jogamos é boa, mas as tocadas durantes as cutscenes e cinemáticas são excepcionais e combinam perfeitamente com a cena em questão.

World of Warcraft: Legion é um jogo que conseguiu trazer a diversão de volta às quests do MMO, com uma história muito bem feita e bem desenvolvida conforme a trama avança, além de apresentar ao jogador o sistema do Salão de Classe. Com cenas marcantes e de arrepiar os cabelos da nuca, Legion é uma expansão que sem sombras de dúvidas irá agradar tanto os jogadores antigos quanto novos.

Review elaborado com uma cópia do jogo para PC cedida pela desenvolvedora.

Resumo para os preguiçosos

World of Warcraft Legion: trouxe de volta a magia que tornou o MMO o que ele é hoje, com uma história bem feita e cenas memoráveis. O grinding por itens pode desanimar jogadores mais casuais, mas nada que comprometa a experiência do jogo. A expansão consegue agradar tanto os jogadores de longa data quanto os que começaram agora e é com certeza uma ótima escolha quando o assunto é RPG.

Nota final

90
Saiba mais sobre os nossos métodos de avaliação lendo o nosso Guia de Reviews.

Prós

  • História rica e bem desenvolvida
  • Cutscenes sensacionais e memoráveis
  • Linha de quests do Salão de Classe aumenta ainda mais a longevidade do jogo enquanto recompensa o jogador com itens poderosos

Contras

  • A busca por itens de nível alto tanto para se acessar a expansão quanto para fazer o conteúdo em grupo é muito demorada, o que pode desanimar e frustrar jogadores mais casuais.
David Brito

Fã de Roguelikes e J-RPGs, David passa a maior parte do seu tempo livre testando novos jogos e lembrando a todos o quanto ele ama a franquia Persona.

Publicado por