Outriders – Review

A Square Enix está longe de ser conhecida como uma empresa tradicional por seus jogos de tiro, mas ao aliar-se à People Can Fly para lançar Outriders, ela chamou a atenção de todo mundo com um jogo que promete ser um ótimo motivo para manter os consoles de nova geração (e também da que está nos deixando) ligados por um bom tempo. Será que o Looter Shooter desta união merece o seu tempo?

Bem-vindo a Enoch

Em Outriders, você controla um Outrider, um membro de uma divsão de elite que está numa missão de colonização no planeta Enoch, a última esperança da humanidade em sobreviver, já que a Terra foi destruída.

Infelizmente, as coisas dão bem errado, e o planeta, que parecia ser bastante hospitaleiro, revela-se um mar de aberrações, mutações e as condições tornam-se praticamente impossíveis. Você, em meio a tudo isso, é pego por uma tempestade anômala e acaba tornando-se um Divergente, ou seja, um mutante com poderes e que dificilmente pode ser morto por humanos comuns.

Agora, você deve descobrir os mistérios de Enoch e também ajudar na sobrevivência da humanidade do antigo grupo ao qual você fazia parte. Para tanto, você deve usar seus poderes e explorar o planeta, que tem segredos e perigos aos montes a oferecer.

Para isso, Outriders funciona como um jogo de tiro não exatamente em mundo aberto, mas com diversos cenários de tamanho médio que podem ser explorados tanto para missões principais, que avançam a campanha, como também para missões secundárias.

Assim como em outros Looter Shooters por aí, como Borderlands e Destiny, você constantemente estará pegando novos equipamentos e armas, enfrentando inimigos mais fortes, subindo de nível, aprendendo novas habilidades, farmando recursos e também completando tarefas para outros personagens do jogo em troca de experiência e também de melhorias para o seu personagem.

Tiroteio de qualidade

Jogos de tiro em terceira pessoa com mecânicas de cobertura costumam ter uma jogabilidade bastante engessada no que é possível fazer, mas felizmente Outriders foge um pouco do tradicional dando a possibilidade do jogador, por meio dos poderes que os seus personagens podem usar, a usar estratégias melhores do que “abaixe a cabeça, espere o inimigo parar de atirar, atire nele”.

O jogo realmente tem mecânicas divertidas, e dependendo da dificuldade (ou Grau de Mundo dentro do game) em que você colocar, é possível inclusive sentir-se o verdadeiro Divergente acabando com os inimigos sem dó nem piedade (inclusive é assim que eu imagino que o mundo de Outriders deva funcionar mesmo, e não com você morrendo a cada dois tiros).

Claro que é possível aumentar a dificuldade na lua, pois conforme você joga no grau de mundo atual, o jogo vai acumulando experiência e possibilitando mais e mais dificuldade, mas honestamente? Só é uma boa ir subindo automaticamente o Grau de Mundo caso você esteja jogando em grupo, já que há partes que ficam bem difíceis a menos que você fique constantemente voltando à base para melhorar o seu equipamento.

Além ds missões normais, Outriders ainda conta com chefes que você vai enfrentando conforme avança na campanha. Estes ajudam um pouco a quebrar o que poderia tornar-se monótono, afinal andar e atirar uma hora cansa. Os chefes em questão podem ser tanto criaturas de Enoch quanto outros Divergentes que você precisa derrotar durante o game.

Além deles, há mini chefes espalhados pelos campos de combate do jogo, e também caçadas especiais que você pode fazer (tanto a outras pessoas como a criaturas que estão causando problemas por aí).

Com tudo isso, Outriders oferece uma boa quantidade de diversão, e por incrível que pareça, o jogo vai ficando cada vez melhor conforme você avança na campanha. O começo do jogo é bem mais ou menos, mas após você começar a ganhar poderes e a sentir-se cada vez mais um deus, as coisas mudam de figura rapidamente.

Problemas de desconexão

Um ponto importante a se ressaltar são os problemas de desconexão que o jogo tem enfrentado. Parece que a Square Enix e a People Can Fly não se prepararam de forma adequada para o sucesso de Outriders, e em alguns momentos, principalmente na primeira semana, eu enfrentei desconexão e outros problemas do tipo. Recentemente, eu tenho enfrentado lag em alguns pontos, e seria bem legal se isso fosse corrigido o quanto antes.

Outro problema que eu enfrentei também foi o fato do jogo só conectar caso a região do meu Xbox (seja qual modelo for) estiver no Brasil e em português brasileiro. Caso o console estivesse em inglês, mas na região do Brasil, o jogo travava em “Autenticando”, e eu não conseguia jogar.

Gráficos e Som

Graficamente, Outriders é um jogo bonito. Eu testei o jogo em três versões do Xbox diferente, o Xbox Series X (onde eu joguei a maioria do tempo), o Xbox Series S (segundo console onde eu mais joguei o jogo) e o Xbox One X. Em todos os casos a performance foi bastante satisfatória, com o Series X entregando uma qualidade gráfica muito superior aos outros dois consoles. O Xbox Series S roda o jogo de maneira admirável, ainda que com uma resolução mais baixa do que o Series X, mas mantendo o framerate na maioria do tempo também a 60 quadros por segundo. Já o Xbox One X roda o jogo com gráficos mais bonitos do que o Series S, mas com o framerate travado em 30 quadros por segundo.

Além disso, outra grande diferença entre as versões é o tempo de carregamento das fases. É interessante que a impressão que eu fiquei foi a de que o Series S é o mais rápido na hora de carregar as áreas, sendo um pouco mais rápido até mesmo que o Series X nesse caso. O Xbox One X obviamente fica pra trás por usar um HD normal nele, mas mesmo assim os tempos de carregamento nele não chegam a incomodar.

A trilha sonora de Outriders é apenas ok, não trazendo grandes músicas que marquem além da música de abertura do jogo. A dublagem do game está na média, tanto no idioma original quanto em português. Aqui, vale ressaltar um ponto importante: há diversos instantes em que falta a tradução para o português, seja em frases, seja em alguns itens. Talvez não tenha dado tempo pro pessoal da localização terminar, ou talvez tenha sido descuido, mas isso deve ser corrigido.

Mas e aí, Outriders vale a pena?

Outriders é um divertido jogo de tiro em terceira pessoa, apesar do começo dele não ser tão bom assim, que fica melhor ainda jogando-se com amigos. Apesar disso, o jogo enfrenta alguns problemas de matchmaking e também de servidores não aguentando a demanda inicial do jogo. Superados esses problemas, se a comunidade já não tiver abandonado o game e ido para outros lugares, Outriders tem tudo para ser uma marca importante da divisão ocidental da Square Enix por anos vindouros, já que o jogo é muito divertido.

Review elaborado com um cópia do jogo para Xbox Series X, S e One X fornecida pela Square Enix.

Resumo para os preguiçosos

Outriders é um divertido jogo de tiro em terceira pessoa, apesar do começo dele não ser tão bom assim, que fica melhor ainda jogando-se com amigos. Apesar disso, o jogo enfrenta alguns problemas de matchmaking e também de servidores não aguentando a demanda inicial do jogo. Superados esses problemas, se a comunidade já não tiver abandonado o game e ido para outros lugares, Outriders tem tudo para ser uma marca importante da divisão ocidental da Square Enix por anos vindouros, já que o jogo é muito divertido.

Nota final

75
Saiba mais sobre os nossos métodos de avaliação lendo o nosso Guia de Reviews.

Prós

  • Tiroteio divertido
  • Bastante conteúdo
  • Classes bem trabalhadas
  • Mundo envolvente

Contras

  • Problemas de conexão
  • Pode ser muito difícil jogando sozinho
Publicado por
Tags: Outriders

Este website utiliza cookies. Para mais informações, consulte nossa política de privacidade.

Leia nossa política de privacidade