Nioh Remastered Collection – Review

Nioh é uma das melhores franquias do gênero Soulsborne fora das desenvolvidas pela criadora do gênero, a From Software. Após o lançamento do PlayStation 5, fãs notaram que nem o jogo original nem sua sequência estavam disponíveis via retrocompabilidade no console, e elas faziam falta aos fãs do estilo de jogo. Agora, Nioh Remastered Collection está sendo lançado para corrigir esta falha. Será que o remaster impressiona?

Como é de se imaginar, Nioh Remastered Collection traz tudo o que já foi lançado para ambos os jogos da franquia num pacotão perfeito para quem já era veterano nos games ou começar tudo do zero.

Apesar do nome sugerir que estas versões receberam melhorias gráficas, nada mudou drasticamente em relação ao que já tínhamos disponível anteriormente no PlayStation 4, onde ambos os jogos foram lançados anteriormente.

A grande novidade dos gráficos são os três modos de jogo, um onde o jogo roda em 4K travado a 30 quadros por segundo, outro onde o jogo funciona numa resolução dinâmica garantindo os 60 quadros por segundo e um modo final que promete entregar 120 quadros por segundo caso você tenha uma televisão que seja compatível com esta tecnologia.

O primeiro dos modos certamente é o mais bonito, mas também o que menos tem graça. Como os jogos não chegaram a melhorar graficamente tanto assim em relação o que já havíamos visto no PS4, este modo provavelmente não vai lhe impressionar tanto assim.

O modo seguinte, que eleva o jogo a 60 quadros por segundo é o que vai ser jogado pela maioria dos jogadores. Como jogos do estilo soulsborne exigem precisão, um framerate maior acaba facilitando a vida, e isso fica evidente caso você saia o modo de 30 quadros para o de 60.

Já o último modo do jogo eu infelizmente não pude testar pois ainda não tenho uma televisão 4k de 120 quadros por segundo. Entretanto, ao acompanhar análises técnicas como as da Digital Foundry, é possível notar que este modo ainda precisa ser melhorado em futuros patches, já que o PlayStation 5 não consegue manter tanto Nioh quanto Nioh 2 numa taxa estável de 120 quadros por segundo.

Além destas melhorias, é claro, o jogo ainda ganhou tempos de carregamento realmente rápidos, graças ao SSD do PS5. Morrer e voltar para mais um round é algo bastante comum em jogos do estilo Soulsborne, e poder fazer isso na velocidade da luz é bastante gratificante, já que você fica menos tempo encarando a tela de carregamento e mais tempo morrendo.

Quanto aos jogos, nenhuma mudança foram feitas neles. Dessa forma, abaixo eu vou colocar o resumo das nossas análises deles quando eles foram lançados e também o link para a análise completa.

Nioh

A Team Ninja tinha um grande desafio: mostrar que Nioh não é uma cópia barata das franquias Soulsborne, e ela conseguiu isso com muito sucesso. O jogo aproveita o melhor que a concorrência tem a oferecer e apresenta um jogo cheio de personalidade, evoluções e inovações interessantes ao gênero, uma boa história e muito conteúdo. Dificilmente você não vai gostar de Nioh, ainda que o jogo pouco explique o que os iniciantes têm que fazer para não morrer tanto assim.

Confira a análise completa do jogo.

Nioh 2

Nioh 2 traz tudo o que o primeiro game fez de melhor, mas também adiciona uma boa dose de elementos inéditos. Sendo consideravelmente mais fácil que o primeiro jogo – por conta de múltiplos recursos novos – este título é uma ótima pedida para os fãs da saga e adeptos ao estilo Soulslike.

Mesmo com poucos problemas frustrantes, Nioh 2 se sobressai frente aos outros jogos do mesmo âmbito, e traz uma sequência digna para o título original de 2017.

Confira a análise completa do jogo.

Mas e aí, Nioh Remastered Collection vale a pena?

Nioh Remastered Collection traz as versões definitivas de ambos os jogos sem nenhuma adição extra. Os upgrades de framerate e tempo de carregamento são bem interessantes, mas o jogo não ganhou tantas melhorias gráficas assim. Dessa forma, este é um pacote que só vale a pena mesmo se você tiver jogado os games originais no PS4 ou tenha muita vontade de jogá-los novamente no PS5.

Resumo para os preguiçosos

Nioh Remastered Collection traz as versões definitivas de ambos os jogos sem nenhuma adição extra. Os upgrades de framerate e tempo de carregamento são bem interessantes, mas o jogo não ganhou tantas melhorias gráficas assim. Dessa forma, este é um pacote que só vale a pena mesmo se você tiver jogado os games originais no PS4 ou tenha muita vontade de jogá-los novamente no PS5.

Nota final

75
Saiba mais sobre os nossos métodos de avaliação lendo o nosso Guia de Reviews.

Prós

  • Dois ótimos jogos do gênero Soulsborne
  • Jogo rodando a 60 quadros por segundo
  • Centenas de horas de conteúdo

Contras

  • Nenhuma adição em relação aos jogos originais
  • O modo de 120 quadros precisa ser mais estável
Eric Arraché

Eric Arraché Gonçalves é o Fundador e Editor do Critical Hits. Desde pequeno sempre quis trabalhar numa revista sobre videogames. Conforme o tempo foi passando, resolveu atualizar esse sonho para um website e, após vencer alguns medos interiores, finalmente correu atrás do sonho.

Publicado por

Este website utiliza cookies. Para mais informações, consulte nossa política de privacidade.

Leia nossa política de privacidade