EA Sports UFC 4 – Review

EA Sports UFC 4 já está entre nós, e a grande pergunta que nos fazemos é se o jogo vale a pena e merece receber o título de campeão dos jogos de MMA ou não. No review de hoje, analisamos as novidades do game e mostramos no que ele acerta e erra.

Em EA Sports UFC 4, você começa logo de cara no modo de criação de personagens e consequentemente iniciando uma carreira completamente nova no mundo do MMA. Nesta versão, a desenvolvedora priorizou a criação de itens de personalização para o seu personagem. Há centenas de itens que podem ser adicionados ao seu lutador. Dentre as opções, temos tatuagens, calções personalizados, camisetas de luta e assim por diante. Tudo para dar munição os jogadores para eles criarem um lutador único.

Neste novo jogo, a grande mudança é no modo carreira em si, e é nele onde passamos boa parte da nossa análise até aqui. Você começa como um lutador amador que recebe a oportunidade de entrar para as ligas pequenas de MMA. Lutando bem o suficiente aqui, é possível impressionar Dana White e ser convidado para o “Dana White’s The Contender Series”, onde você enfrenta outro aspirante ao UFC para entrar para a maior organização de MMA do mundo.

Vença sua luta e assine o seu primeiro contrato e assim você chega ao lugar onde muitos lutadores sonham em chegar. Obviamente, o Modo Carreira de EA Sports UFC 4 não acaba aí, ele apenas está começando. Uma vez que você chega no UFC, você deve subir nos rankings, construir relacionamentos com outros lutadores e assim por diante, para um dia chegar à sua chance pelo título e então começar a construir seu legado como o maior lutador de todos os tempos.

Entre uma luta e outra, é possível treinar para desenvolver o seu lutador. Aqui, a EA mudou um pouco o esquema. Ao invés de executar treinos em específico, você passa o tempo todo fazendo Sparring com seus parceiros de ginásio, seja em boxe, seja em Muai Thai, seja em Jiu Jitsu, seja em Wrestling. Cada modalidade de treinamento confere um bônus para um atributo aleatório (exemplo: ao treinar boxe, você pode ganhar mais 33% de progressão em jabs).

A progressão de atributos também foi modificada pela desenvolvedora. Ao invés de você ganhar pontos e então escolher no que você quer que o seu lutador seja melhor, ele vai progredindo da maneira com a qual você luta nos treinos e nas lutas de verdade. Se você usa socos demais, o seu personagem vai ir melhorando em socos. Se você chuta muito, ele melhora nos chutes, e assim por diante. Eu criei um lutador de kickboxe que começou a carreira totalmente unidimensional, mas tornou-se campeão com socos e chutes destruidores e também com um jogo de chão capaz de finalizar qualquer um.

Esse sistema de progressão ficou bem legal pois assim é eliminada a possibilidade de você cometer erros na hora de criar um lutador com a sua cara, afinal, ele vai fazer bem o que você está acostumado a fazer bem no controle.

Um ponto importante, entretanto, é que como você passa muito tempo só fazendo sparring entre uma luta e outra, às vezes cansa ficar nesse “treina, avança semana, treina, avança semana” que o modo proporciona. Não há muito o que fazer além disso, apenas promover a luta (uma opção que faz você gastar parte do seu tempo de treinamento nisso) e nada mais.

Uma das novidades anunciadas pela EA Sports em UFC 4 era a possibilidade de construir relacionamentos com outros lutadores. Como você faz isso? Trocando mensagens com eles nas redes sociais. Estas interações funcionam de maneira automática (quando algum lutador comenta sobre você e você tem a oportunidade de responder) ou então com você gastando parte do seu tempo de treinamento para construir relacionamentos com estes lutadores.

Para que isso serve? Para você ganhar novos movimentos dentro do jogo. Ao invés de comprar novas habilidades, como era feito no passado, agora você precisa chamar outro lutador para o seu ginásio e então aprender o golpe com ele. Se você tem uma relação ruim com outro lutador, você gasta mais dinheiro nisso, se você tem uma relação boa, você gasta menos. O dinheiro também é utilizado para pagar por tratamentos caso o seu lutador sofra uma contusão durante um treinamento ou outro, e basicamente serve só para isso no modo carreira.

Outro ponto importante do Modo Carreira é o Técnico Davis. Apresentado nos trailers como a grande adição deste modo, ele basicamente é um personagem que aparece em algumas cutscenes com você quando você está começando, e depois desaparece completamente do jogo até você lutar pelo cinturão. Ele pode até ter sido o primeiro passo na direção de um Modo Carreira com uma história, mas ainda falta bastante nesse sentido.

De modo geral, o Modo Carreira de EA Sports UFC 4 oferece algumas novidades legais, mas infelizmente acaba realmente se tornando monótono conforme você avança nele por ficar nessa de “treina, luta, treina, luta”, e as lutas acabam durando bem pouco caso você jogue nos níveis de dificuldades mais baixos. O jogo chegou a me recomendar usar o nível mais baixo, mas depois de eu atropelar três lutas seguidas nos primeiros 10 segundos, eu acabei subindo progressivamente o nível até que as lutas ficassem realmente desafiadoras. No fim das contas, o Modo Carreira ganhou atualizações interessantes, mas ele ainda segue bastante raso, e acaba ficando cansativo depois de um tempo.

Finalizado o Modo Carreira, o que há de novo no jogo? Não muita coisa. Na verdade, EA Sports UFC 4 simplifica algumas coisas complicadas do seu antecessor, como a luta no clinch (luta agarrada em pé, para quem não está familiarizado com os termos de MMA e boxe) e também a luta agarrada de solo (jiu jitsu ou wrestling dependendo do estilo do seu lutador).

A luta de Clinch acabou ficando bem mais intuitiva de combater, apesar de ter perdido um pouco da profundidade, mas o modo simplificado de jogo de solo de UFC 4 melhorou consideravelmente. Agora, o minigame de finalização é bem intuitivo e se você quiser, é até possível criar um ás do jiu jitsu e sair por aí finalizando todo mundo no Modo Carreira sem grandes dificuldades, ou pegar também o Demian Maia e sair por aí fazendo o mesmo nas lutas normais.

No mais, o jogo traz uma grande seleção de lutadores e modos para quem não quer ficar nessa vida de criar personagem e avançar pelo mundo das lutas. Há bastante coisa para fazer lutando MMA, assim como o Modo de Nocaute (onde não há luta de solo), perfeito para quem quer uma diversão rápida sem precisar aprender muito sobre o jogo.

Graficamente, EA Sports UFC 4 é um jogo bem bonito, com uma movimentação excelente e efeitos de dano no corpo bem realistas. O jogo apresentou alguns bugs de posicionamento de personagens de vez em quando, mas nada que chegue a estragar a experiência dele.

A trilha sonora do jogo é boa. Rap não é o meu tipo favorito de música, mas para quem gosta, há uma boa seleção de músicas. O jogo também está em português, como era de se esperar.

Mas e aí, EA Sports UFC 4 vale a pena?

EA Sports UFC 4 faz algumas evoluções importantes no combate de clinch e de solo, tornando-os muito mais acessíveis e divertidos do que antes. O jogo também apresenta um monte de opções de personalização para você deixar o seu personagem do Modo Carreira da forma como você quiser. Por falar em Modo Carreira, ele também traz novidades, mas infelizmente acaba caindo na mesmice depois de um tempo. Somando prós e contras, esse é o melhor jogo da série UFC até aqui, por mais que ainda não seja espetacular.

Review elaborado com uma cópia do jogo para Xbox One X fornecida pela Electronic Arts do Brasil.

Resumo para os preguiçosos

EA Sports UFC 4 faz algumas evoluções importantes no combate de clinch e de solo, tornando-os muito mais acessíveis e divertidos do que antes. O jogo também apresenta um monte de opções de personalização para você deixar o seu personagem do Modo Carreira da forma como você quiser. Por falar em Modo Carreira, ele também traz novidades, mas infelizmente acaba caindo na mesmice depois de um tempo. Somando prós e contras, esse é o melhor jogo da série UFC até aqui, por mais que ainda não seja espetacular.

Nota final

75
Saiba mais sobre os nossos métodos de avaliação lendo o nosso Guia de Reviews.

Prós

  • Simplificação dos sistema de luta de solo e agarrada
  • Modificação interessante do progresso no modo carreira
  • Diversos cosméticos para personalizar seus lutadores

Contras

  • O modo carreira ainda tem bastante a melhorar e acaba ficando monótono
Eric Arraché

Eric Arraché Gonçalves é o Fundador e Editor do Critical Hits. Desde pequeno sempre quis trabalhar numa revista sobre videogames. Conforme o tempo foi passando, resolveu atualizar esse sonho para um website e, após vencer alguns medos interiores, finalmente correu atrás do sonho.

Publicado por

Este website utiliza cookies