Demon’s Souls (PS5) – Review

Demon’s Souls foi o jogo que iniciou uma das maiores revoluções no mundo dos videogames recentes, e agora este é o grande nome dos jogos de lançamento do PlayStation 5. Será que o jogo ainda vale a pena ser jogado mesmo após tantas mudanças e evoluções no gênero Soulsborne?

Um mundo em perigo

Em Demon’s Souls, você controla um humano que vai até o reino de Boletaria para tentar encontrar a glória e livrar este reino de uma neblina maligna criada pelo “Ancião” que está devorando o reino pouco a pouco. Após ser morto, o corpo deste humano é preso no Nexus, e agora você deve viajar a cada uma das 5 regiões de Boletaria, derrotar um demônio poderoso e absorver sua alma para então acabar com tudo aquilo.

Como a própria sinopse do jogo sugere, o jogo conta com um hub central com as cinco áreas, e você deve progredir nelas até enfrentar um inimigo extremamente poderoso para então absorver a alma dele. Se você já jogou algum dos Dark Souls, você sabe exatamente como o jogo funciona, ou seja, aprenda bastante sobre a área, libere atalhos, enfrente chefes e inimigos poderosos, além de você ter que se virar contra um cenário que esconde perigos a cada esquina.

Uma joia oculta

Eu já havia jogado Demon’s Souls anteriormente no PlayStation 3, mas admito que eu nunca fui até o final do jogo por achá-lo menos acessível do que Dark Souls, por exemplo. A decisão de oferecer itens de cura finitos e que devem ser obtidos conforme você avança no jogo não me agradou na época, e este provavelmente será o grande obstáculo do jogador logo no começo do jogo, além da dificuldade.

O grande ponto aqui é que, depois de um certo momento em que você resolve o problema das ervas de cura, o jogo realmente abre, e a vida fica muito mais fácil por ele. A solução desse problema passa por você comprar estas ervas dos NPCs do jogo, e sabendo o que fazer no game, você desbloqueia rapidamente um NPC que vende boas ervas a um preço justo. O problema é saber disso.

Mas enfim, resolvido este problema, Demon’s Souls realmente abre como um jogo desafiador e cheio de personalidade. É possível ver nas áreas do jogo como alguns conceitos que seriam aprimorados em Dark Souls estão em sua essência ali. Chefes como a Falange ou o Cavaleiro Torre, por exemplo, deram as caras de novo na franquia em outras oportunidades, e o jogo conta com uma espécie de “versão beta de Blighttown” que vai fazer você ficar com cabelos brancos assim como na sequência espiritual deste jogo.

Difícil mesmo para jogadores experientes

Falando um pouco sobre o nível de dificuldade de Demon’s Souls, eu sinceramente acho que este é um jogo com um começo que pode tornar-se bem mais difícil do que outros jogos da From Software, mas que, obtidos os itens certos, como armas e a possibilidade de farmar ervas, acaba tornando-se bastante divertido, e com um desafio justo.

Há momentos em que você vai passar mal enfrentando alguns inimigos? Com certeza, mas como este é um jogo bem mais cadenciado que um Sekiro, ou Bloodborne, por exemplo, você também vai ter um pouco mais de oportunidades de parar, respirar, pensar no que você precisa fazer e seguir em frente.

Há chefes únicos nesse jogo que exigem que você use o cérebro ao invés de sair dando porrada sem pensar muito no que está fazendo, e estes são uma verdadeira aula de como o gênero Soulsborne pode ser muito mais do que um inimigo que te mata com dois golpes e precisa de 145 para ser morto.

Gráficos, performance e dublagem

Graficamente, a Blue Point deu um excelente tratamento a Demon’s Souls. O jogo conta com dois modos gráficos, um com 4K nativo a 30 frames por segundo e outro com resolução dinâmica e 60 frames por segundo. Eu joguei a maioria do tempo no modo de performance, afinal, quadros por segundo são muito bem-vindos dentro de um jogo onde a precisão é mais do que necessária. Mesmo neste modo “mais feio”, os gráficos do jogo realmente impressionam.

Outro ponto que impressiona em Demon’s Souls é a velocidade de carregamento das telas do jogo. Como você provavelmente vai morrer bastante no jogo, nada como não esperar quase nada para tentar mais uma vez, não é verdade? É exatamente isto o que acontece aqui. O jogo leva no máximo 5 segundos para carregar uma nova área, e muitas vezes é mais rápido do que isso.

Aqui, entretanto, vale ressaltar que eu encontrei um bug no jogo que me incomodou bastante. Às vezes, quando eu carrego o meu save, parece que o jogo entra no modo “baixa performance” e o jogo fica todo travado pra mim. Voltar para o menu inicial e entrar no game novamente resolve o problema, mas ele bem que poderia ser resolvido, não é mesmo?

A trilha sonora de Demon’s Souls é outro ponto que merece elogios. Além de boas composições, o jogo ainda por cima veio dublado em português. Esta dublagem, aliás, não perde em nada para a dublagem original, e ficou realmente boa, seja com personagens como a Dama de Preto, seja com personagens repugnantes como o Patches.

Mas e aí, Demon’s Souls vale a pena?

Como o mundo já está bem mais acostumado com o gênero Soulsborne, Demon’s Souls tem tudo para ser um campeão de vendas e de sucesso dentro do PlayStation 5, e servir como garoto propaganda do console. A Bluepoint fez modificações apenas estéticas e um pouco de balanceamento dentro do jogo, além de resolver bugs como chefes que podiam ser atingidos por trás das paredes, mas fora isso, o jogo que você encontra aqui é exatamente aquela joia desconhecida que foi lançada há 11 anos para o PlayStation 3. Apesar do game não ter recebido nenhum conteúdo novo nem a promessa de algo do tipo, Demon’s Souls é sem sombra de dúvidas um jogo obrigatório para quem está comprando o PS5 agora ou no futuro.

Review elaborado com uma cópia do jogo para PlayStation 5 fornecida pela PlayStation Brasil.

Resumo para os preguiçosos

Como o mundo já está bem mais acostumado com o gênero Soulsborne, Demon’s Souls tem tudo para ser um campeão de vendas e de sucesso dentro do PlayStation 5, e servir como garoto propaganda do console. A Bluepoint fez modificações apenas estéticas e um pouco de balanceamento dentro do jogo, além de resolver bugs como chefes que podiam ser atingidos por trás das paredes, mas fora isso, o jogo que você encontra aqui é exatamente aquela joia desconhecida que foi lançada há 11 anos para o PlayStation 3. Apesar do game não ter recebido nenhum conteúdo novo nem a promessa de algo do tipo, Demon’s Souls é sem sombra de dúvidas um jogo obrigatório para quem está comprando o PS5 agora ou no futuro.

Nota final

90
Saiba mais sobre os nossos métodos de avaliação lendo o nosso Guia de Reviews.

Prós

  • Belíssimos gráficos
  • Um clássico atualizado, mas com a essência mantida
  • Desafiador e divertido

Contras

  • Pode parecer assustador no começo mesmo para veteranos
  • Há um bug em que coloca o jogo no “modo baixa performance” às vezes. Recarregar o save do jogo resolve esse problema.
Eric Arraché

Eric Arraché Gonçalves é o Fundador e Editor do Critical Hits. Desde pequeno sempre quis trabalhar numa revista sobre videogames. Conforme o tempo foi passando, resolveu atualizar esse sonho para um website e, após vencer alguns medos interiores, finalmente correu atrás do sonho.

Publicado por