Categorias: Cinema e TV

Roteirista do reboot de Resident Evil nos cinemas afirma querer retornar as raízes do horror da franquia

Resident Evil é sem dúvida uma das franquias de terror mais aclamadas dos videogames, no entanto, quando foi transportada para o cinema por Paul W. S. Anderson, o terror característico dos jogos foi transformado em basicamente um filme de ação genérico, desagradando a maioria dos fãs.

Mas aparentemente isso está próximo de mudar, em uma entrevista recente ao Discussing Film, Greg Russo, que escreveu o reboot da série para os cinemas, afirmou que deseja retornar as raízes do terror que deixaram a franquia tão conhecida.

Russo afirma que os novos filmes deixaram totalmente de ser assustadores e deseja retomar esse horror com a ajuda de James Won, que também está envolvido na produção.

“Para mim ficou bem claro que eu queria voltar e tornar isso assustador novamente, como um filme de horror no clássico estilo de James Wan.”

O roteirista ainda disse que a sua principal inspiração para esse retorno as raízes foi Resident Evil 7, que também fez algo semelhante em relação aos jogos.

“Então esse foi o tom, voltar e olhar o que tornou os jogos assustadores em primeiro lugar. Sim, Resident Evil 7 foi angular para o meu roteiro.”

Russo ainda finaliza dizendo que não há motivos para se envergonhar dos filmes originais, mas deseja fazer algo totalmente diferente com o reboot.

“E não há motivo para se envergonhar dos filmes originais, acho que são muito bons, e a ação trazida por Paul Anderson para a franquia foi realmente divertida. Mas no final do dia, para mim como fã da franquia original de jogos, eu sempre considerei a franquia como primariamente de horror e a ação como uma característica secundaria. Então, faz sentido retornar às raízes do horror.”

Russo trabalhou nesse roteiro a pelo menos um ano e já entregou a primeira versão aos produtores, e agora espera a resposta de quando as gravações irão começar. Infelizmente ainda não temos qualquer data de estreia.

Resident Evil 7 foi lançado em janeiro de 2017.

Este website utiliza cookies