Games: Games: Histórias, lendas e bizarrices – Parte 20

Olá amigos, conhecidos e haters.

Mais uma vez mooglez aqui! Já sabe, se não me segue no twitter, siga(clica aqui). Não se inscreveu no meu canal ainda? Se inscreve! O ano de 2013 teve lançado um filme lá de 93, ou seja, 20 anos depois relançaram Jurassic Park em 3D. Semana passada falei de remasterização de alguns jogos. Não quero que isso aconteça com esse jogo, mas acho que todo mundo deveria essa obra prima que é Jurassic Park pra Super Nes.

JURASSIC PARK

Em 93 poucos jogos estavam tão focados em ação e puzzles. Parece que tudo era mais distribuído em produções de esporte. NBA Jam, John Madden, alguns outros de futebol, Baseball, etc. Não lembro muito bem de algum game que me fizesse prender a atenção um game de vasculhar, pesquisar, etc. Ainda tinha alguns momentos do jogo que ficava em primeira pessoa. Você tinha que entrar nos prédios lotados de Velociraptors e procurar por coisas que completariam o jogo.

A história é exatamente a mesma do filme. Um ricaço colocou um monte de dinossauro numa ilha muito louca… EPA! PERAE! Mas é bem isso mesmo, um cara com muita grana produziu uma linha de seres jurássicos para viverem em uma ilha e queria que fosse uma espécie de zoológico de dinossauros. Então ele convida o paleontólogo mais conhecido do mundo, junto com sua esposa que é uma bióloga focada nas plantas da época dos dinos. Junto tinha também um matemático especializado em teoria do caos (?!) e um investidor. As crianças que aparecem no filme caíram de gaiato lá porque foram visitar o vovô na primeira experiência de apresentação do parque.

Se não fosse um filme, tudo correria muito bem, todo mundo veria os dinossauros, voltariam pra casa, falariam que o Parque dos Dinossauros é a próxima Disney e acabaria por ai. Todo mundo feliz e alegre. Porém sempre tem algo pra acontecer: 1) o gordinho do filme que quer roubaram os DNAs sacaneia geral desligando a luz da ilha; 2) tem uma tempestade que só complica; 3) o Ian Malcolm, o cara de preto, quer furar os olhos do Dr. Alan Grant; 4)  deram um papel pequeno pra caralho pro Samuel L. Jackson (ah, isso era só pra encher linguiça).

Aqui no jogo o foco é o seguinte: junte todas informações sobre DNA na ilha – porque o gordinho deixou por ai,  pegar os ovos dos dinos e aí você pode fugir dela. Você joga com Alan Grant no melhor estilo Rambo. Arma de dar raio, boleadeiras de ferro, foguetes, e sei lá mais o quê.

Gosto muito desse jogo e NUNCA consegui fechar ele. Sempre parei ali no começo. Nos 20 minutos e não conseguia ir pra frente. O que eu me lembro é que não tinha como por password ou então um save point. Ou seja, tinha que ir na raça do inicio ao fim. Logo eu não conseguia acabar o game. Uma lástima.

Então pessoal, era isso.

Até semana que vem!

Se inscrevam no meu canal, me sigam no twitter, comentem esse post e muita alegria pra maioria de vocês que deve estar entrando de férias do colégio e faculdade. Semana que vem eu tento pegar outro assunto legal pra falar com um pouco de nostalgia e bizarrice dos jogos no mundo.

Abração!

Leia também:

Parte 1 – Parte 2 – Parte 3 – Parte4 – Parte 5 – Parte-6 – Parte-7 – Parte-8 – Parte-9 – Parte-10 – Parte-11 –Parte-12 – Parte-13 – Parte-14 – Parte-15 – Parte-16 – Parte-17 – Parte-18 – Parte-19

Publicado por

Este website utiliza cookies. Para mais informações, consulte nossa política de privacidade.

Leia nossa política de privacidade