5 jogos que sofreram censura ou foram banidos – parte 2

Fala, galera, tudo bom com vocês? Dando continuação a mais jogos que foram banidos ao redor do mundo, a lista de hoje conta com algumas das indicações dadas por vocês e outras que eu garimpei por aqui. Como não tem graça só escolher jogos por motivos como “ah, esse é muito violento” eu tentei encontrar alguns motivos mais bizarros para os jogos terem sido banidos. Vamos a eles?

5. Bully

Bully foi proibido de ser comercializado ou importado no Brasil em abril de 2008 graças ao juiz Flávio Mendes Rabelo do estado do Rio Grande do Sul (valeu, conterrâneo) baseado em estudos psicológicos encomendados por psicólogos do estado. Segundo os laudos do processo, o jogo poderia causar danos psicológicos tanto a adolescentes quanto adultos.

Até aí tudo bem, agora que vem a parte divertida. Você tem Bully? Bom, então corra da polícia, pois foi instituída uma multa de mil reais por dia para quem for pego em posse ou comercializando o jogo. Considere-se um fora da lei.

4. Homefront

Vocês sabem quais motivos poderiam causar a Terceira Guerra Mundial? Bom, se algum de vocês me disser que um videogame pode começar uma guerra de verdade, eu acharia que vocês estão mentindo, mas, foi exatamente para evitar isso que Homefront foi banido na Coreia do Sul.

Homefront é um jogo onde a atitude agressiva da Coreia do Norte em relação aos seus vizinhos acabou desencadeando a Terceira Guerra Mundial e invadindo os EUA. No jogo, você faz parte dum movimento de resistência à ocupação coreana do país norteamericano.

Digamos que, para falar bem de leve, o jogo não apresente os norte-coreanos de uma maneira muito legal. Para evitar isso, e levando em conta o pavio curto da Coreia do Norte, o seu co-irmão resolveu proibir a comercialização do jogo no próprio território. Digamos que eles não perderam muita coisa mesmo.

3. Pokémon

A série Pokémon foi banida da Arábia Saudita em 2001 por parecer…com apostas. Sim, isso mesmo, Pokémon parece com um jogo de azar, onde você só gasta dinheiro e nunca ganha. Tipo a Telexfree, mas com monstrinhos pequenos. Eu realmente não consegui entender a linha de raciocínio que eles seguiram para chegar nessa conclusão, mas é proibido vender e jogar jogos da série no país saudita.

2. Grand Theft Auto: Episodes From Liberty City

Que motivo poderia ser alegado para que GTA: Episodes From Liberty City fosse banido do Brasil? A violência? Não. O jeito com que os homens tratam as mulheres no jogo? O modo como as crianças podem se comportar após jogarem o jogo? Tente novamente. A música “Bota o Dedinho pro Alto”? Sim!

Isso mesmo, uma música foi responsável pela proibição do jogo por essas bandas. Segundo a justiça brasileira, aDaniel Haaksman – Kid Conga feat. Mc Miltinho” usava um pedaço da música “Bota o Dedinho pro Alto”, configurando um plágio. A Rockstar tentou argumentar com a justiça brasileira afirmando que tinha os direitos de ambas as músicas e o que a justiça fez? Disse que as assinaturas dos documentos de compra eram falsificadas. E foi assim que o Brasil nunca viu esse jogo de maneira oficial.

1. Football Manager 2005

Ok, dessa vocês vão rir. Como um simulador de técnico poderia ser banido da China? Por reconhecer o Tibete como um país. Sim, exatamente por isso, afinal de contas, a China meio que invadiu o Tibete há algumas décadas (volta e meia o Dalai Lama aparece pra reclamar sobre isso) e anexou o território, fazendo assim que o “país” Tibete desaparecesse.

O jogo está banido na China desde 2005 por causa disso e parece que Football Manager só vai chegar a ser lançado no mercado chinês se algum dia eles mudarem de ideia sobre isso ou o Tibete anexasse a China e forçasse a venda do jogo por lá só por birra. Como é mais fácil postes começarem a mijar em cachorros, eu acho que não vai ser tão cedo assim que os chineses vão ter o privilégio de jogar Football Manager por lá. Que fiquem com Elifoot mesmo.

Gostou do artigo? Confira as outras partes

Parte 1

Este website utiliza cookies. Para mais informações, consulte nossa política de privacidade.

Leia nossa política de privacidade