Anime

Uma das principais lutas de Neji Hyuga foi censurada em Naruto, e a versão do mangá é brutal

Um dos arcos mais marcantes de Naruto Clássico é o arco do Resgate de Sasuke. O personagem havia concordado em seguir Orochimaru para poder conseguir mais poder, e Shikamaru recebe a missão de formar uma equipe de genins para poder parar os quatro tenentes mais poderosos de Orochimaru e resgatar Sasuke.

Este arco é marcado por várias grandes batalhas, e cada uma delas desenvolve as habilidades dos heróis de Naruto. A segunda batalha deste arco envolve Neji e Kidomaru. O Hyuuga decide segurar Kidomaru enquanto Naruto e os outros continuam sua busca por Sasuke.

Em um determinado momento da batalha, Kidomaru cria uma arco e flecha e faz um buraco enorme no ombro de Neji. Porém, o ferimento foi severamente censurado no mangá, fazendo com que ele tivesse mais a aparência de um ferimento por bala do que um buraco.

Muitos fãs especulam que originalmente Neji deveria ter morrido nesta luta, mas os editores de Kishimoto o pressionaram para mudar o ferimento para que o personagem pudesse viver, devido à sua popularidade. A mudança no enorme ferimento de Neji é a principal evidência desta teoria, já que o personagem deveria ter morrido em poucos minutos com uma ferida daquele tamanho.

Naruto teve sua publicação iniciada em 1999 na Weekly Shonen Jump, e encerrou em 2014 com 72 livros e um total de 700 capítulos cobrindo desde a infância de Naruto até o final da Quarta Guerra Shinobi e um epílogo.

O mangá foi adaptado em forma de anime, com Naruto contendo 220 episódios e Naruto Shippuden contando com mais 500 episódios ao todo, e tornando-se um sucesso mundial, seja em meio impresso, em forma de série ou até mesmo em jogos de videogame.

Atualmente, a franquia tem novas histórias sendo contadas em Boruto: Naruto Next Generations, que conta as aventuras do filho de Naruto, Boruto, um jovem que não quer ser Hokage, mas seguir o próprio caminho num futuro próximo onde os ninjas vivem num mundo com o contraste entre a modernidade e as tradições.

Publicado por

Este website utiliza cookies. Para mais informações, consulte nossa política de privacidade.

Leia nossa política de privacidade