Anime

Orochimaru teve uma de suas cenas mais macabras censuradas em Naruto Shippuden

Orochimaru já foi considerado um dos maiores ninjas da Vila da Folha, na época em que ninguém sabia de suas verdadeiras ambições.

O vilão queria descobrir uma maneira de enganar a morte para poder aprender todos os jutsus em existência, atingindo assim o poder de um deus. Orochimaru eventualmente encontrou uma forma de se tornar imortal, ao criar um jutsu que permite que ele transfira sua mente para um corpo diferente.

A verdadeira extensão da ambição de Orochimaru foi descoberta pelo Terceiro Hokage, que encontrou seu laboratório secreto. Porém, muitos fãs de Naruto não sabem que esta cena foi completamente mudada no anime.

No mangá de Masashi Kishimoto, Orochimaru havia capturado vários ninjas e feito experimentos neles. Vários corpos podem ser vistos pendurados em ganchos, e muitos deles estão com partes do corpo decepadas. Porém, nada disto é mostrado no anime.

No anime, Orochimaru tinha inúmeros jarros com órgãos e partes do corpo em seu laboratório, ao invés de ninjas mortos pendurados na parede. A cena ainda assim é perturbadora, mas não tanto quanto na versão original.

Naruto teve sua publicação iniciada em 1999 na Weekly Shonen Jump, e encerrou em 2014 com 72 livros e um total de 700 capítulos cobrindo desde a infância de Naruto até o final da Quarta Guerra Shinobi e um epílogo.

O mangá foi adaptado em forma de anime, com Naruto contendo 220 episódios e Naruto Shippuden contando com mais 500 episódios ao todo, e tornando-se um sucesso mundial, seja em meio impresso, em forma de série ou até mesmo em jogos de videogame.

Atualmente, a franquia tem novas histórias sendo contadas em Boruto: Naruto Next Generations, que conta as aventuras do filho de Naruto, Boruto, um jovem que não quer ser Hokage, mas seguir o próprio caminho num futuro próximo onde os ninjas vivem num mundo com o contraste entre a modernidade e as tradições.

Este website utiliza cookies. Para mais informações, consulte nossa política de privacidade.

Leia nossa política de privacidade