InícioGamesTekken 8 - Análise - Vale a Pena - Review

Tekken 8 – Análise – Vale a Pena – Review

Tekken 8 é um dos jogos de luta mais aguardados dos últimos anos, prometendo refinamentos de gameplay e mais um capítulo na saga da família Mishima. Será que o jogo consegue atender às expectativas dos fãs?

Em Tekken 8, presenciamos a continuação direta do enredo de Tekken 7, e o jogo já começa com o pé no acelerador com uma grande batalha entre Kazuya e Jin. Logo descobrimos que Kazuya está mais poderoso do que nunca, e que o plano de dominação mundial dele está a pleno vapor.

Derrotado, Jin precisa reencontrar seu poder e descobrir uma forma de vencer não apenas ao próprio pai, mas também a si mesmo, enquanto um novo torneio do Rei do Punho de Ferro está prestes a começar.

O modo história do jogo conta com cerca de 3 horas de duração, e tem alguns momentos bem divertidos e até mesmo épicos. Pra quem gosta de história de jogos de luta, essa certamente vai agradar, ainda mais com algumas surpresas que ela traz do meio pro final.

Além do modo história, Tekken 8 ainda tem campanhas individuais para cada um dos seus 30 e poucos personagens, que são compostas de 5 batalhas e que revelam o que os personagens estavam fazendo durante os acontecimentos dessa campanha principal.

Tekken 8 - Análise - Vale a Pena - Review

Para completar o conteúdo para jogador solo, ainda temos o modo Tekken Ball, é exatamente o mesmo que nos lembramos em Tekken 3, ou seja, um jogo de vôlei onde você usa os ataques dos seus personagens para fazer a bola cair na quadra do adversário e assim causar dano nele.

Além disso, o jogo ainda conta com modos online tanto competitivo quanto casual, um modo de treinamento e um modo de replay dos mais interessantes já vistos no mundo dos jogos de luta até hoje, já que o replay analisa o que você estava fazendo em relação ao seu adversário e te mostra o que você deveria ter feito para punir os comandos dele. Para quem gosta de se afundar no mundo de jogos de luta e melhorar cada vez mais com os personagens, esse modo é fundamental e muito bem vindo.

Tekken 8 - Análise - Vale a Pena - Review

Mas como podemos imaginar, um jogo de luta só é tão bom quanto o seu estilo de luta permite, e felizmente, Tekken 8 é um jogo muito competente nesse sentido, mas com um porém.

Eu não sei se é porque eu estava sem jogar Tekken 7 há muito tempo (já que eu só jogo os mais antigos de PS2 e PSP nos testes de portáteis de emulação) que eu achei muito mais difícil de fazer os combos em Tekken 8 do que o normal.

Tekken 8 - Análise - Vale a Pena - Review

Durante a campanha do jogo, eu estava penando para conseguir lutar contra os adversários, já que raramente conseguia encaixar uma grande sequência de golpes, o que volta e meia acontecia comigo contra os adversários e eu via o meu personagem sendo destroçado por eles.

Tudo mudou, entretanto, quando eu comecei a usar o botão LB (ou L1) para ativar o modo de combo fácil dentro do jogo. Fica bem mais fácil jogar com ele, e parece até que o jogo volta a ser o que era nos anteriores, ainda que seja exageradamente mais fácil de fazer os combos e conseguir acertar sequências que eu certamente não conseguiria acertar normalmente, apenas combinando botões como X, X, pra baixo e B e coisas do tipo.

Eu sinceramente não entendi porque o jogo ficou tão mais difícil de acertar os combos e técnicas dependendo do personagem, mas outra mudança que eu notei também foi que agora os ataques tiram muito mais vida, e que muitas vezes a IA do jogo aproveita-se para te atacar abaixado, fazendo os golpes normais passarem reto por ela e ela te punir muito mais do que anteriormente punia (talvez até pelo aumento de vida ou diminuição do dano dos golpes normais).

Seja como for, parece que eles tiraram de um lado e colocaram do outro, então, se você estiver sentindo dificuldades de jogar Tekken da forma anterior, minha sugestão pra Tekken 8 é não ser orgulhoso e aprender essa nova forma de controlar o personagem, que também facilita bastante na hora de você usar os Heat attacks dos personagens, golpes esses que são uma evolução do que o Tekken 7 apresentava.

Graficamente, Tekken 8 é um belíssimo jogo, com um dos gráficos mais bonitos que eu já vi em um jogo de luta até aqui. É realmente impressionante o que a Bandai Namco conseguiu colocar nele, e tanto no Xbox Series X quanto no Series S, plataformas nas quais eu testei o jogo, o jogo funcionou a contento e muito bonito também.

Para completar, a trilha sonora de Tekken 8 é muito boa, ainda que, mais uma vez, a coisa mais engraçada do jogo seja a dublagem dele, já que um personagem fala em japonês, o outro responde em inglês, o outro em intaliano e todo mundo se entende. É a verdadeira Torre de Babel de Katsuhiro Harada.

Mas e aí, Tekken 8 vale a pena?

Tekken 8 é mais um marco dentro da franquia Tekken, um jogo bastante divertido com uma campanha muito boa e uma boa quantidade de conteúdo para entreter os jogadores. O jogo, entretanto, ficou mais difícil e mais fácil ao mesmo tempo, então se você estiver com dificuldade de jogar como antigamente, tente usar o modo mais fácil de controles e golpes, pois ele deixa o jogo muito mais acessível do que nunca.

Review elaborado com uma cópia do jogo para Xbox Series X e S fornecida pela publisher.

Resumo para os preguiçosos

Tekken 8 é um belíssimo jogo cheio de conteúdo, com um vasto elenco de personagens e bastante coisa pra fazer e aprender. Para quem gosta de um bom fighting game, esse daqui é um prato cheio, e para o jogador casual, ficou bem mais fácil fazer você parecer saber que entende o que está fazendo com o novo modo de controles.

Nota final

85
Saiba mais sobre os nossos métodos de avaliação lendo o nosso Guia de Reviews.

Prós

  • Bom sistema de acessibilidade
  • Modo replay e treinamento realmente ensinam a jogar o jogo
  • Bastante conteúdo
  • Belos gráficos

Contras

  • O jogo sem o “modo fácil” parece ter ficado bem mais difícil para compensar
Eric Arraché
Eric Arrachéhttp://criticalhits.com.br
Eric Arraché Gonçalves é o Fundador e Editor do Critical Hits. Desde pequeno sempre quis trabalhar numa revista sobre videogames. Conforme o tempo foi passando, resolveu atualizar esse sonho para um website e, após vencer alguns medos interiores, finalmente correu atrás do sonho.