Nier Replicant – Review

A franquia Drakengard e Nier finalmente receberam o interesse que mereciam após o lançamento de Nier Automata, e como a Square Enix não é boba nem nada, aproveitou este sucesso para fazer uma espécie de Remake e Remaster híbrido em Nier Replicant. Como será que este novo e velho jogo ao mesmo tempo se sai agora neste relançamento?

Em Nier Replicant, você controla Nier, um jovem que vive num mundo pós cataclísmico onde a humanidade sobrevive em cidades semi-medievais após perder boa parte da tecnologia. Não bastasse isso, o povo ainda tem que se defender da Sombras, monstros que atacam os humanos a qualquer oportunidade. Nier é um jovem inserido nesse mundo que tem uma irmã mais nova, Yonah, que sofre de uma doença chamada Black Scrawl (Rabisco Negro) e que aparentemente não tem cura.

Durante a jornada de Nier (o personagem que você nomeia no começo do jogo), você vai encontrando aliados, como o Grimoire Weiss (um livro mágico que lhe auxilia tanto com magias quanto com o conhecimento dele) e Kainé, e descobrindo mais sobre o que aconteceu com a humanidade como enfrentar as sombras.

A história de Nier Replicant foi mantida intacta neste relançamento, inclusive num ponto que causou polêmica e que foi uma verdadeira mancada da Square Enix: uma missão onde você deve apalpar as partes íntimas de uma personagem para descobrir que ela é trans. Agora, cerca de duas semanas após o lançamento, jogo ainda não foi atualizado para remover esta missão, algo que é uma falta grave mesmo com toda a repercussão que isto recebeu.

No que diz respeito à forma como o jogo conta sua história, você vai recebendo missões de diferentes personagens e viajando pelo mundo, enquanto enfrenta inimigos e puzzles ambientais para avançar. Geralmente há um chefe no final de cada área nova do jogo, e estes confrontos acabam sendo bem divertidos, já que na maioria das vezes, o combate acaba sendo bem exagerado e cheio de poderes gigantescos.

Uma das coisas mais interessantes que Nier Replicant traz é a variação de jogabilidade nas fases. Ao invés de ser um jogo de ação onde você enfrenta seus inimigos sempre com ataques, a tônica do jogo é bem diferente. Há uma missão, por exemplo, onde você tem que adivinhar uma série de enigmas para avançar. Outra missão em que a câmera é colocada de forma isométrica, como em jogos como Diablo. Já outra em que você passa por uma espécie de bullet hell, e assim por diante.

Os próprios inimigos de Nier Replicant são bem originais entre si, já que há inimigos imunes a ataques físicos, e outros que só podem ser mortos por ataques físicos, por exemplo. Esta variação toda na jogabilidade é algo que realmente faz o jogo ganhar pontos, e o sistema de combate de Nier Automata, implementado em Nier Replicant substituindo o sistema de combate da versão de PS3 e Xbox 360, acabou casando muito bem com toda a ação que rola na tela.

Além das missões principais do jogo, você ainda conta com uma tonelada de missões secundárias, que servem tanto para liberar algumas mecânicas novas (como a possibilidade de usar montarias dentro do jogo) como também para você ganhar dinheiro no game, algo que você não encontra em inimigos e que vai precisar para ervas de cura e novas armas.

Estas missões geralmente envolvem você ir até a algum lugar, pegar um item e então voltar, ou fazer uma entrega, ou matar um inimigo, e ajudam você a conhecer melhor o mundo em que Nier Replicant se passa.

Graficamente, Nier Replicant é um jogo mediano. Por ser um jogo de 2010 remasterizado para 2021, os gráficos poderiam ter sido melhorados. Alguns estilos de arte dos personagens foram alterados e a taxa de atualização em 60 quadros por segundo, mas como os gráficos do jogo não eram lá tão bonitos, eles acabaram ficando com cara que a gente está jogando um emulador, por exemplo, apenas com alguns filtros. Ainda assim, é muito bom poder jogar este jogo sem nenhuma queda de taxa de quadros, algo que não era possível em suas versões originais.

A trilha sonora de Nier Replicant é excelente, e a dublagem do game também é muito boa. Só é uma pena, porém, que o jogo não tenha suporte nem a diálogos e nem a legendas em português. A Square Enix poderia ter tido o cuidado de adicionar pelo menos as legendas ao jogo, já que fica bem difícil acompanhar a história para quem não domina o inglês, além, claro, de missões em que você tem que dar as respostas certas.

Mas e aí, Nier Replicant Vale a pena?

Nier Replicant é um ótimo jogo, trazendo um história envolvente, trilha sonora  jogabilidade nota 10. É uma pena que os gráficos do jogo não tenham melhorado tanto assim, além da falta de localização para o português, e também que ele traga alguns graves problemas numa missão opcional do jogo que nada acrescenta à história e que ainda não foi removida do jogo. Desta forma, recomendamos o jogo, mas com estas ressalvas importantes.

Review elaborado com uma cópia do jogo para Xbox One (rodando no Xbox Series S e no Series X) fornecida pela desenvolvedora.

Resumo para os preguiçosos

Nier Replicant é um ótimo jogo, trazendo um história envolvente, trilha sonora  jogabilidade nota 10. É uma pena que os gráficos do jogo não tenham melhorado tanto assim, além da falta de localização para o português, e também que ele traga alguns graves problemas numa missão opcional do jogo que nada acrescenta à história e que ainda não foi removida do jogo. Desta forma, recomendamos o jogo, mas com estas ressalvas importantes.

Nota final

85
Saiba mais sobre os nossos métodos de avaliação lendo o nosso Guia de Reviews.

Prós

  • História divertida e muito envolvente
  • A variação de gameplay na campanha principal é excelente
  • Personagens complexos e apaixonantes
  • Trilha sonora sensacional

Contras

  • Uma missão opcional bastante problemática e desnecessária
  • Falta qualquer tipo de localização para o português
Publicado por

Este website utiliza cookies. Para mais informações, consulte nossa política de privacidade.

Leia nossa política de privacidade