Montague’s Mount – Review

O jogo de sobrevivência Montague’s Mount segue a receita adotada por diversos games do estilo: Um personagem em um cenário deserto, com perda de memória, e a necessidade de explorar o local em busca de respostas. Uma receita comum, porém, será que o jogo consegue superar essas referências? É o que iremos debater nas próximas linhas.

  • Nome: Montague’s Mount
  • Plataforma: PC, Linux, Mac
  • Desenvolvedora/Publisher: PolyPusher Studios
  • Lançamento: 9 de outubro de 2013

Montague’s Mount conta a história de um homem que não lembra de nada sobre si mesmo. Ao recuperar a consciência, percebe que sofreu um acidente com seu bote e que está em uma praia junto com diversos objetos espalhados pela areia. O jogo não te passa muitas informações sobre o que fazer, somente o que o personagem fala serve de primeira noção sobre qual será seu próximo passo: Descobrir mais sobre o local e sobre você mesmo para fugir dali. Vale mencionar aqui que o jogo disponibiliza várias opções de idiomas, entre elas o Português Brasileiro. Isso mesmo, PT-BR, e estou falando de dublagem em nosso idioma, não meras legendas traduzidas. Ponto para a desenvolvedora, que fez um trabalho muito bom. Além disso, o jogo inteiro passa a ficar em português, inclusive alguns “memos” que você encontra ao longo do jogo em paredes, ou outras informações de objetos, que sempre estão escritos em português. A única coisa que não altera em termos de idioma são placas da ilha, escritos em Gaélico, língua mais comum na Irlanda, local onde se passa o jogo.

Tais “memos” que mencionei, servem como tutoriais para o jogo, explicando algumas funções do teclado (como andar e abrir o inventório) ou analisar objetos. O que é legal é que você precisa ler ele no local que se encontra no cenário, nada de pegá-los para ler mais facilmente. Os comandos são extremamente simples, com movimentação no tradicional “WASD” e guia pelo mouse. Não há opções para correr ou pular, o que faz sentido considerando que seu personagem começa mancando bastante, e você deve encontrar uma bengala para oferecer estabilidade para ele caminhar.

Sobre o visual do jogo, os gráficos são bons, mas nada extremamente rebuscado. Vale lembrar que é um jogo indie e que o foco está na exploração e no enredo, porém, há grandes detalhes, como os objetos espalhados pelo chão. Você passará por diversos itens que precisa coletar sem ao menos reparar eles no cenário. Isso é algo que complica a jogabilidade, por muitas vezes você passará um bom tempo procurando um item necessário para avançar no jogo e que deve estar escondido em algum lugar no mapa, que não é gigante, porém seu personagem não corre, se lembra? Sobre os menus eles buscam passar um pouco da atmosfera do jogo, porém acho que a logo poderia ser um pouco mais elaborada, parece que foi feita “de qualquer maneira” e optaram por deixar assim mesmo.

O jogo possui um filtro de imagem que gera um visual “granulado”, algo semelhante a uma imagem de TV com ruídos, o que complica um pouco a visibilidade, ainda mais aliado à atmosfera do jogo, que é estar em uma ilha chuvosa, com trovões no começo da noite. O jogo também tem uma constante “variação de cores”, onde seu personagem as vezes enxerga cores, as vezes vê tudo preto e branco e um pouco desfocado, natural para quem estava inconsciente e está bastante machucado. Mas tudo isso acredito fazer parte da experiência de jogo. Há a possibilidade de desabilitar esse “filtro”, melhorando a visibilidade, mas acredito que você irá perder um pouco da experiência de jogo.

Sobre a experiência de jogo, é um survival básico. Você tem que buscar  as peças do enredo para aos poucos ir entendendo o que acontece na ilha e descobrir sobre você mesmo. Porém ele chega a ser frustrante algumas vezes, pois você passa muito tempo procurando peças que possam ter passado despercebidas. Claro que isso faz parte do jogo, mas ele fica cansativo nesse ponto, sem ter um desafio de resolver um puzzle ou algum minigame que apareça (quando você precisa ligar um gerador ou algum outro objeto).

O jogo possui alguns bugs como partes distantes do cenário que desaparecem e aparecem dependendo do seu ângulo de visão, mouse que trava por alguns instantes, movimentação travada (em algumas partes de cenários, quando você está geralmente em alguns cantos de cômodos perto de móveis o personagem se movimenta sozinho para algum lado), porém nenhum desses problemas comprometem a jogabilidade. Mas há um bug que atrapalha (e bastante) a progressão no jogo. Não há opções de save, com isso o jogo salva automaticamente em momentos chaves, que viram “checkpoints” para você fazer o load quando recomeçar a jogar. Mas como o jogo não possui muitas indicações do que deve ser feito, a história basicamente flui de maneira natural, geralmente você perceberá o que tem que fazer ao evoluir no jogo. O problema está aqui: em alguns momentos você poderá pular algumas partes, por exemplo, chegar o checkpoint 8 sem ter realizado o 7. Com isso você ficará travado, por não ter feito alguma parte e que talvez você não conseguirá voltar para realizá-la, fazendo com que você faça load em uma parte anterior e tenha que fazer tudo de novo, o que é um grande problema, principalmente que as vezes você não tem nem ideia do que deixou de fazer. (Há um pequeno truque aqui, que ao fazer o load da parte que você salvou pulando outra, o jogo habilita o save da parte anterior, com isso você pode saber o que pulou e voltar um save e fazer essas partes na ordem correta, mas acho que deveria ser algo que não poderia ocorrer, ou que não atrapalhassem em sua evolução no jogo).

Enfim, Montague’s Mount é um bom jogo. Possui alguns problemas de bugs que atrapalham um pouco, mas que são facilmente contornados. As dificuldades de gameplay fazem parte do jogo de “terror psicológico” e contribuem para a experiência de jogo (apesar de serem frustrantes em alguns momentos por não saber o que fazer ou por onde procurar os itens). O título está em votação no Steam Greenlight para ser vendido no serviço. Se você desejar comprar o jogo, ele custa 9,99 dólares e pode ser adquirido através do próprio site do jogo. Acredito ser um bom preço para um jogo bom. Acredito que eles consigam resolver esses pequenos problemas com futuras atualizações.

Nota final

60
Saiba mais sobre os nossos métodos de avaliação lendo o nosso Guia de Reviews.

Prós

!

Contras

!

Ryan da Costa

Ex-redator

Publicado por

Este website utiliza cookies