Mad Games Tycoon – Review

O mundo dos simuladores de desenvolvedora de jogos volta e meia ganha um novo candidato a jogo que vai dominar o mercado e a trazer todas as funções que os jogadores gostariam, e é exatamente a isso que Mad Games Tycoon se propõe. Será que o jogo consegue? É o que vamos descobrir.

Em Mad Games Tycoon, você começa, assim como em todos os outros simuladores de desenvolvedora de jogos, nos anos 80, com uma pequena desenvolvedora na sua garagem. O jogo, na maior parte, lembra a maioria dos outros jogos do gênero, como Game Dev Tycoon ou Game Dev Story, ou seja, você escolhe o jogo, escolhe o gênero, contrata novos desenvolvedores e tudo mais, naquele eterno ciclo de “vou desenvolver só mais um jogo pra ver como ele vai se sair” que acaba roubando horas e mais horas da nossa vida.

Mas no que Mad Games Tycoon se diferencia da concorrência? Bom, para começar, o jogo mistura o gênero de manager com o de estratégia e agora você pode criar salas para a sua desenvolvedora, como em Theme Hospital, por exemplo. Cada sala tem sua função, indo da sala do desenvolvimento de jogos à sala de descanso da companhia, passando por salas mais específicas, como a sala do marketing (responsável em criar o hype para o seu jogo) ou a sala do desenvolvimento gráfico (onde o seu jogo obviamente vai ficar mais bonito) ou ainda salas mais específicas, como a sala do controle de qualidade (onde os bugs são removidos).

Como dá para ver, Mad Games Tycoon é bem mais ambicioso e bem mais complexo do que o manager normal, sendo essa a principal qualidade e o principal defeito do jogo. Como qualidade, podemos notar que, se você for bem organizado, e gastar um bom tempo dentro do jogo, é possível ter uma verdadeira gigante do mundo dos games, com diversas salas, centenas de desenvolvedores, setores e mais setores e a criação de vários títulos ao mesmo tempo. O problema principal do jogo, entretanto, é exatamente esse: ele acaba sendo complexo demais.

Por que eu digo isso? Bom, vamos começar pelo começo, quando você abre o jogo, ele começa com um tutorial que dura exatamente 10 minutos. Nesse tutorial, ele te ensina a criar um jogo e a criar uma sala, depois disso, o jogador que se vire tentando entender o que mais o jogo tem pela frente. Quer saber como pesquisar novos gêneros? O jogo pouco explica. Quer saber para que servem os componentes que você está pesquisando? Ele também não ensina. Precisa de grana para continuar desenvolvendo seus jogos? Você que procure onde você pode tirar um empréstimo ou fazer contratos de trabalho para faturar uma grana extra.

No fim das contas, toda a complexidade de Mad Games Tycoon só vira uma qualidade do jogo depois de você perder um bom tempo tateando no escuro dentro dela. É só depois de um tempo que você percebe, por exemplo, que cada desenvolvedor tem uma especialidade dentro de si, e que fazer jogos sobre o mesmo gênero acabam beneficiando a sua vida, por mais que isso acabe sendo repetitivo. Por causa dessas milhares de opções que o jogo te dá, você pode acabar o jogo sendo uma desenvolvedora que cuida de ports, por exemplo, mas até você aprender o caminho que deve fazer para isso, você vai acabar falindo umas duas ou três desenvolvedoras.

Talvez se o jogo começasse mais simples e fosse abrindo o leque de possibilidades, ou se tivesse um tutorial um pouco mais longo, essas várias opções dele fossem um ponto positivo maior, mas infelizmente dessa forma, o jogador pode acabar se frustrando e até desistindo do jogo antes de realmente começar a aproveitá-lo.

Vale ressaltar ainda que Mad Games Tycoon é um jogo bem difícil caso você não saiba o que você está fazendo (e você vai passar boa parte do tempo nessa situação inicialmente). Eu fali algumas vezes antes de entender o que eu deveria fazer, e vários dos jogos da minha produtora eram considerados lixos pela crítica (ora ora, que ironia) até eu realmente entender como fazer um jogo que ganha seus 80 e poucos pontos num review e que vende bem. E se o seu jogo é ruim, prepare-se, porque ele vai vender mal e você vai perder dinheiro. Às vezes, até quando o jogo é bom ele vende pouco, ainda mais conforme o tempo avança.

No fim das contas, você tem que gerenciar uma porrada de departamentos ao mesmo tempo com o passar dos anos no jogo e o que era para ser uma aventura no mundo das grandes produtoras de jogos acaba tornando-se frustração em cima de frustração, ainda mais se você não salva constantemente para não ter que começar tudo de novo. Graficamente, Mad Games Tycoon não tem nada demais. Eu particularmente achei o estilo de arte do jogo feio e que, em alguns momentos, o jogo parece não seguir um estilo conciso. Já a trilha sonora do game é boa, e ele ainda vem em português.

Resumo para os preguiçosos

Mad Games Tycoon é um jogo que torna-se divertido se você se dedicar a ele tempo o suficiente, o problema é que nesse meio tempo, você vai tatear no escuro e chutar tudo o que você vir pela frente até lá.

Nota final

65
Saiba mais sobre os nossos métodos de avaliação lendo o nosso Guia de Reviews.

Prós

  • Bons elementos de estratégia adicionados ao gênero
  • Literalmente milhares de opções de criar jogos
  • Possibilidade de você não ser apenas uma desenvolvedora de jogos, mas ir muito além

Contras

  • Excessivamente complexo, ainda mais no começo do jogo
  • Tutorial raso demais
  • Estilo gráfico feio
Eric Arraché

Eric Arraché Gonçalves é o Fundador e Editor do Critical Hits. Desde pequeno sempre quis trabalhar numa revista sobre videogames. Conforme o tempo foi passando, resolveu atualizar esse sonho para um website e, após vencer alguns medos interiores, finalmente correu atrás do sonho.

Publicado por

Este website utiliza cookies