Ace Combat é uma franquia que eu literalmente amo desde que conheci lá na época do PlayStation One. Meu primeiro contato foi com Ace Combat 3: Electrosphere e desde então me tornei um apaixonado pela franquia da Bandai Namco.

Quando fiquei sabendo que Ace Combat 7: Skies Unknown seria lançado para o PlayStation 4 eu fiquei completamente empolgado, e essa empolgação só aumentou quando eu pude colocar as mãos nessa belezinha, mas será que o novo jogo da franquia é tudo de bom ou um tiro no próprio pé?

É o que vamos descobrir.

A história de Ace Combat 7: Skies Unknown é bastante simples e parte direto para a ação sem muitos rodeios, girando em torno de uma guerra entre duas nações: a Federação de Osea e Reino de Erusea. Você controla um piloto profissional chamado somente de “Trigger” e logo no início da campanha você é julgado e condenado por um grave crime que não cometeu. Agora sob a responsabilidade de um novo comandante e taxado como criminoso, Trigger é enviado para várias missões taxadas como suicidas juntamente com outros pilotos condenados, e é aí que o jogo acontece.

Logo de cara podemos ver a beleza dos gráficos de Ace Combat 7, e a Bandai Namco fez um trabalho espetacular nesse quesito. Ace Combat 7 é simplesmente lindo de se ver, com aeronaves e cenários muito bem detalhados, explosões incríveis, efeitos de luz e clima mas o destaque mesmo fica por conta das nuvens. Mas por quê isso? Eu vou te falar.

Não é surpresa nenhuma dizer que todo cenário do jogo tem muitas nuvens, afinal, o jogo inteiro se passa nos céus, mas uma das coisas mais interessante é que em Ace Combat 7 seu avião pode congelar caso fique muito tempo nelas, forçando o jogador a voar em céu aberto e correr o risco de tomar um míssil na fuça a qualquer instante. Ao mesmo tempo que as nuvens trazem esse efeito negativo, elas também trazem a possibilidade de despistar inimigos e fugir de mísseis com mais facilidade, porém acertar mísseis em inimigos que usam dessa artimanha também fica mais difícil.

Os efeitos climáticos do jogo estão realmente incríveis, principalmente em uma certa missão em que você se vê num combate em meio à uma enorme tempestade e sendo obrigado a desviar tanto de mísseis quanto de raios, sendo considerada por mim a missão mais épica da campanha. Vale lembrar que, assim como efeitos de sol e chuva, o jogo conta com fortes correntes de ar em alguns momentos e lugares, fazendo com que seu avião perca um pouco da estabilidade e exigindo que o jogador seja habilidoso para não jogar seu avião contra uma montanha ou seja detectado no radar de inimigos em certas missões onde o stealth é a parte mais importante.

Não somente os efeitos climáticos, mas as explosões também são incríveis e parecem muito realistas, sempre me fazendo dar aquele sorriso quando vejo algum avião inimigo explodindo em chamas (sério, é uma sensação muito boa). Cada abate que você causa, tanto no ar quanto em terra, causa uma explosão, e elas são simplesmente lindas (e também têm um som muito bom de se ouvir). Isso tudo junto à uma boa trilha sonora torna tudo mais incrível, e em alguns momentos a trilha sonora é mais interessante que o próprio jogo.

Além disso, Ace Combat 7: Skies Unknown conta com um vasto arsenal de aeronaves, modificações, armas e mais um monte de coisa para colocar em seus aviões e que podem ser comprados com créditos adquiridos em cada missão que você completa, aumentando bastante o fator replay para aqueles que desejam comprar tudo que tiver disponível. Algumas dessas armas incluem mísseis que podem travar a mira em 4 ou 8 inimigos diferentes, mísseis ar-terra que travam a mira com mais facilidade naqueles inimigos que estão em terra (tanques, SAMs e antiaéreas) e por aí vai.

Aqui temos um acréscimo bastante legal às suas naves: Flares!

Uma das coisas que me irritou um pouco durante a minha jogatina foi a quantidade de mísseis que era lançada contra minha nave, fazendo com que eu fosse obrigado a lançar flares na tentativa de me defender. Mas não vá pensando que eles são infinitos ou que você terá uma grande quantidade desse recurso, pois você pode carregar somente 7 por missão. Se eles acabarem, você terá que dar um jeito de desviar dos mísseis que são lançados contra você, mas essa não é uma tarefa muito difícil.

Um ponto negativo, porém, é que a campanha é relativamente curta (você não vai terminar tudo em 2 ou 3 horas, mas ao meu ver, a campanha poderia ser um pouco maior, porém isso não tira o seu brilho).

Uma das coisas que mais pecam em alguns jogos é não mostrar o seu personagem ou criar algum personagem principal que não fala uma palavra sequer (assim como em GTA Online onde todo mundo é mudo). Isso não deveria ser algo a ser criticado, afinal, ter um personagem que não fala nada meio que faz com que você se coloque no lugar dele e isso ajuda a dar uma imersão um pouco maior, mas isso vai do gosto pessoal de cada um.

Apesar de não ter uma das campanhas mais longas do mundo, Ace Combat 7 contém um modo multiplayer que pode te arrancar horas e horas com amigos ou até mesmo sozinho, afinal, mandar mísseis em pessoas desconhecidas é legal pra caramba. Nele, você pode jogar tanto sozinho contra outras pessoas ou em equipes de até três jogadores, onde aquele que alcançar a pontuação limite ou fizer mais pontos ao fim da contagem regressiva, vence.

No modo multiplayer você também adquire créditos para serem trocados na “loja” do jogo, e alguns itens são exclusivamente para uso no modo online, então fique atento para não gastar seu dinheirinho comprando algo errado, hein.

O jogo também é totalmente traduzido em português, o que ajuda muito aqueles que não dominam a língua inglesa na hora de entender o que está acontecendo e o que seus companheiros de equipe estão falando. Um deslize, porém, é que o jogo não conta com dublagens em português, fazendo com que a tarefa de pilotar um avião e ler as legendas seja um pouco difícil até mesmo para aqueles mais acostumados com os outros jogos da franquia.

Ah! Além disso tudo, Ace Combat 7 é totalmente compatível com o PlayStation VR! Então se você tem um, não deixe de conferir.

Review elaborado com uma cópia para PlayStation 4 fornecida pela Bandai Namco.

Compartilhe