Criador da franquia Yakuza revela que o jogo foi recusado pela Microsoft e Nintendo

Até o seu recente lançamento para o PC, a franquia Yakuza sempre esteve associada ao PlayStation e existe uma boa razão para essa praticamente exclusividade com a Sony.

Na última edição da revista Edge, Toshihiro Nagoshi, criador da franquia, revelou que chegou a apresentar a ideia de Yakuza para a Microsoft e a Nintendo, mas ambas as empresas recusaram o jogo (via Kotaku).

“Eu nunca disse isso antes, mas enquanto lançamos esse jogo com a Sony, eu fiz apresentações sobre ele para a Microsoft e Nintendo. Naquela época eles disseram: ‘Não, nós não queremos isso’. Agora eles dizem: ‘Nós queremos isso!’ (Risos) Eles não entendem a razão pela qual eu criei isso.”

Mas não foi só isso, Nagoshi também afirma que dentro da própria Sega teve bastante dificuldade para receber aprovação do jogo.

“Meus chefes precisaram ser convencidos. Fiz uma apresentação duas vezes e não obtive aprovação. A sega estava lutando por dinheiro e estava muito perto da falência, então se fundiu com a Sammy. Assim que isso aconteceu, fui ver o novo dono e apresentei o jogo para ele, buscando aprovação. Profissionalmente, isso era muito irregular e completamente errado. Mas eu sabia que se o dono dissesse ‘sim’, seria bom para toda a empresa.”

“Eu consegui a aprovação dele, mas o nosso CEO ficou muito bravo com isso (risos). Ele disse que era injusto.”

Na mesma entrevista, Nagoshi ainda fala que a sua principal inspiração para a criação dos jogos da franquia é simplesmente a cultura japonesa. Ele afirma que sempre gostou de sair e conhecer as histórias de pessoas comuns. Algumas dessas histórias são surpreendente, outros bastante tristes e eventualmente elas acabam se tornando elementos dentro do enredo de Yakuza.

Recentemente sugiram rumores que Yakuza 6 seria lançado para o PC, mas a Sega ainda não confirmou nada. Então por enquanto o jogo continua exclusivo para PS4 e você pode conferir o nosso review aqui.

João Victor Albuquerque

Formado em Sistemas de Informação, que no final da faculdade resolveu se meter nesse mundo do jornalismo. Apaixonado por joguinhos, filmes, animes e sempre atrasado com as séries.