Categorias: GamesReviews

Animal Crossing: New Horizons – Review

Graças ao sucesso estrondoso do Nintendo Switch, a Nintendo tomou a sábia decisão de trazer a maioria de suas franquias para o novo console, dando a elas o tratamento que luxo que merecem, como é o caso de Animal Crossing: New Horizons.

A mais nova versão da franquia mais casual da Big N. chegou surpreendendo a todos, tanto pela sua qualidade quanto pelo número de vendas até o momento. A dedicação e o amor dos desenvolvedores pelo jogo é visível logo de cara.

New Horizons está muito maior, mais bonito e mais recheado de itens e atividades do que os seus antecessores. Mas antes de chegarmos nestes detalhes, primeiro é necessário explicar o conceito de Animal Crossing, afinal, muitas pessoas nunca tiverem acesso à franquia até ela ser lançada no Switch, como é o meu caso.

Em Animal Crossing: New Horizons, controlamos um personagem que acabou de se mudar para uma ilha deserta junto de alguns poucos Villagers (os animais antropomórficos do jogo). E apesar da ilha ser um bom lugar para se viver, ela ainda está longe de ser perfeita. E este é o “objetivo” de Animal Crossing, aperfeiçoar e personalizar sua ilha da maneira que achar melhor, pouco a pouco.

O jogo utiliza o relógio da vida real, o que significa que cada dia tem literalmente 24 horas de duração, e que as coisas levam várias horas ou dias para se completarem. Desde flores e árvores plantadas à novas construções e moradores da ilha, o progresso de Animal Crossing: New Horizons é extremamente lento, mas isto está longe de ser ruim.

Como tudo leva muito tempo para se concluir, o jogador não precisa dedicar dezenas de horas semanais para alcançar um resultado satisfatório. Conforme os dias vão passando, jogar uma ou duas horas por dia passa a ser mais do que suficiente, mas sem que o jogo perca o fator diversão. Um dos maiores pontos positivos de Animal Crossing: New Horizons é o fato dele ser completamente casual. Poder jogar sem objetivos definidos pelo jogo e fazer as coisas em seu próprio tempo pode ser frustrante para alguns, mas é extremamente relaxante para os outros.

Enquanto os primeiros dias de jogo realmente podem ter pouco conteúdo, o jogo se transforma completamente quando o Museu e o prédio de serviço aos moradores são construídos. Com estas construções erguidas, é fácil se perder em New Horizons por horas sem nem notar o tempo passar.

O museu serve para expor todos os insetos, fósseis e peixes que podem ser encontrados pela ilha. Insetos e peixes diferentes surgem dependendo do horário do dia e do mês/estação do ano, ou seja, sempre há algo novo para se encontrar independente da época em que se está jogando. Ver a coleção do museu se expandindo periodicamente é muito gratificante, e pelo menos para mim, é a melhor parte do jogo.

Já o prédio de serviço aos moradores serve para modificar a estrutura da ilha ao permitir a construção de pontes que ligam os vários pedaços de terra da ilha e rampas para facilitar o acesso a terrenos mais elevados. Também é possível adquirir novos lotes para futuros villagers e mandar villagers atuais embora, se você for um monstro.

Tudo isso serve para aumentar ainda mais a singularidade de cada ilha. É impossível encontrar duas ilhas iguais em Animal Crossing: New Horizons, o que torna a habilidade de poder visitar outras ilhas através da internet ainda mais legal. Viajar para outras ilhas podem nos render flores, frutos e árvores que não cresciam em sua ilha inicialmente, além de podermos conhecer os gostos e senso de estilo de outros jogadores.

Outro ponto muito forte de New Horizons é a quantidade de possíveis opções de personalização para a ilha. São centenas de itens diferentes: Roupas, móveis, eletrodomésticos, eletrônicos, etc. Estes itens são vendidos diariamente através de uma seleção aleatória feita pelo jogo, o que significa que certos itens podem ser muito difíceis de se encontrar. Entretanto, a busca por itens específicos cai pela metade caso se jogue com amigo, já que eles podem comprar os itens que você deseja (caso os itens apareceram na loja deles) e dá-los a você.

Jogar com amigos é muito mais divertido, e abre um leque de possibilidades para customização ainda maior.

Outra mecânica muito interessante de Animal Crossing: New Horizons é a possibilidade de se criar designs do zero para quadros, grafitis e estampas de roupa. Com um pouco de prática, é possível criar designs e imagens incríveis para decorar sua ilha e suas roupas, o que eleva a customização de New Horizons para outro nível.

É difícil encontrar defeitos em um jogo tão simples e completo quanto este, mas infelizmente eles ainda existem. O meu maior incômodo com New Horizons está na complicação desnecessária de certas mecânicas. Durante o jogo, precisamos utilizar diversas ferramentas diferentes para realizar as tarefas e se locomover pela ilha. Machados, pás, estilingues, varas de pesca e etc. são apenas alguns exemplos de coisas que precisam ser criadas e mantidas no inventário a todo momento.

Mas por algum motivo misterioso, estes itens possuem durabilidade, e ela não é muito alta, mesmo criando as versões de melhor qualidade deles. Por causa disso, somos obrigados a ficar voltando até a casa para pegar os materiais necessários para se criar o item inicial, para então criar a versão melhorada dele (mais detalhes sobre isso no próximo parágrafo), e só aí poder voltar para onde paramos. Em um jogo cujo maior ponto forte é despreocupar o jogador e deixá-lo o mais a vontade possível, a mecânica de durabilidade não combina nem um pouco.

E esta mecânica nos leva diretamente ao segundo problema do jogo: A criação de itens. O sistema de crafting faz o seu trabalho até que bem na maioria do tempo, mas ele não é lá muito otimizado. As ferramentas do jogo – que precisam ser criadas periodicamente – tem mais de um nível de qualidade, mas para criarmos uma ferramenta em seu melhor estado, primeiro precisamos criar a sua versão inicial, assistir uma cena de quase 30 segundos do nosso personagem criando o item, para só então poder criar a versão desejada do item (e assistir a mesma cena novamente).

Isso pode não parecer tão ruim num primeiro momento, mas ao repetir esta ação várias vezes por dia, é fácil ficar frustrado com a demora para se criar itens tão importantes, principalmente pelo fato de que o jogo é basicamente injogável sem eles.

Além disso, não é possível criar mais de um item por vez. Ou seja, somos obrigados a escolher o item que queremos criar, assistir cena de crafting dele, abrir o menu de crafting novamente, e repetir o processo. Isto transforma uma tarefa simples como criar 10 iscas um verdadeiro calvário. E o pior de tudo é que este é um problema facilmente consertável, mas que provavelmente não será resolvido tão cedo.

Por último mas não menos importante, temos a estética do jogo. Animal Crossing: New Horizons possui uma estética incrível. Os gráficos e o estilo de arte são super agradáveis, e a trilha sonora é simplesmente incrível, sendo extremamente relaxante tanto dentro de jogo quanto numa playlist do YouTube.

No mais, Animal Crossing: New Horizons traz as melhores ideias da franquia e as melhora ainda mais, com a qualidade que só a Nintendo possui. Os gráficos e a trilha sonora são super agradáveis e combinam perfeitamente com o gameplay, que por sua vez é simples de entender e muito divertido ao mesmo tempo em que é casual. E apesar de ter problemas menores que podem vir a frustrar o jogador em certos momentos, o jogo ainda é uma experiência única e que merece o investimento de dezenas de horas para criar a sua ilha perfeita.

Review elaborado com uma cópia comprada pelo Critical Hits.

Resumo para os preguiçosos

Animal Crossing: New Horizons traz as melhores ideias da franquia e as eleva as melhora ainda mais, com a qualidade que só a Nintendo possui. Os gráficos e a trilha sonora são super agradáveis e combinam perfeitamente com o gameplay, que por sua vez é simples de entender e muito divertido ao mesmo tempo em que é casual. E apesar de ter problemas menores que podem vir a frustrar o jogador em certos momentos, o jogo ainda é uma experiência única e que merece o investimento de dezenas de horas para criar a sua ilha perfeita.

Nota final

85
Saiba mais sobre os nossos métodos de avaliação lendo o nosso Guia de Reviews.

Prós

  • Opções de customização da ilha são praticamente infinitas
  • Casual e extremamente relaxante
  • Trilha sonora e gráficos super agradáveis
  • É possível progredir mesmo jogando pouco tempo por dia

Contras

  • O sistema de tempo do jogo pode afastar jogadores que desejam ter muito o que fazer todos os dias
  • O sistema de durabilidade das ferramentas não se encaixa em um jogo deste tipo
  • Ter que criar apenas um item por vez chega a ser frustrante em alguns momentos
Disqus Comments Loading...

Este website utiliza cookies