Activision: novo ciclo de criação permite que estúdios “falhem” no processo criativo de Call of Duty

Para quem não sabe, a Activision trabalhava com dois estúdios diferentes na produção de Call of Duty, com cada um lançando um jogo a cada dois anos. Os dois estúdios eram a Treyarch e a Infinity Ward.

Porém, por causa da “fatiga” que a franquia estava sofrendo nos últimos títulos, com cada vez menos jogadores no multiplayer, a publisher resolver mudar essa formula e jogar mais um estúdio lá no meio, aumentando o ciclo de desenvolvimento para três anos por equipe.

Quem entrou na roda foi a Sledgehammer Games, que está lançando agora o Advanced Warfare. Falando sobre essa mudança, o CEO da Activision Eric Hirshberg comentou que essa mudança melhora o desenvolvimento, pois permite algumas coisas novas aos estúdios.

“Primeiro de tudo, [o ciclo de três anos] dá a eles a liberdade de fracassar no processo criativo. Permite que existam coisas que não estarão presentes no jogo final. Num processo de dois anos, toda linha de código é como uma corrida para o envio. Queremos poder testar coisas novas e mecânicas novas no jogo”.

Michael Condrey, co-fundador da Sledgehammer, disse que Call of Duty: Advanced Warfare manterá tudo que os fãs conhecem e amam da franquia, mas terá que coisas novas que deixarão o jogo “diferente”. Segundo o outro co-fundador do estúdio, Glen Schofield, o jogo terá “alguns grandes experimentos com as mecânicas básicas que afetarão o multiplayer”.

Acho bom que a Activision tenha feito essa mudança. Dois anos é realmente pouco tempo para um estúdio conseguir criar coisas novas e renovar o jogo. Vamos ver se essa mudança vai realmente afetar a qualidade dos próximos jogos.

Leonardo Koakowski

Sonysta, Sommelier de Destiny e Cyber Atleta de final de semana de Rocket League

Publicado por

Este website utiliza cookies. Para mais informações, consulte nossa política de privacidade.

Leia nossa política de privacidade