Cinema e TV

O Rei Leão é realmente um plágio do desenho japonês Kimba? Entenda toda essa polêmica

Recentemente, a Disney estreou nos cinemas a adaptação live-action de O Rei Leão, que mesmo tendo dividido um pouco os fãs, está fazendo tanto sucesso quanto a animação original. No entanto, esse lançamento também reacendeu uma antiga polêmica que acusa a Disney de plagiar Kimba, o Leão Branco.

Em meados de junho de 1994, a Walt Disney Pictures lançou O Rei Leão, a sua primeira animação vendida como uma história totalmente original, que não se baseava em nenhum conto da literatura clássica. O filme rapidamente foi um sucesso estrondoso tanto de público como de bilheteria, mas também não demorou muito para que diversos jornalistas começassem a notar que talvez O Rei Leão não fosse tão original assim, já que ele contava com semelhanças demais com outro anime japonês.

Jungle Taitei, ou Kimba, o Leão Branco, é um mangá desenhado por Osamu Tezuka, o criou de o Astro Boy e considerado um dos mangakás mais influentes do mundo, sendo chamado no Japão como o “pai do mangá moderno”. Essa sua obra foi lançada originalmente em 1950, mas ganhou posteriormente uma adaptação em anime exibida no Japão entre 1965 e 1967.

A história basicamente acompanha a jornada de Kimba, um jovem leão branco que após perder o seu pai tenta aprender como governar a selva africana. Parecido como o filme da Disney né? Como se não bastasse, a trama ainda tem um babuíno sábio, papagaios, hienas e até um leão que se apossou do trono do pai de Kimba.

Como você pode conferir no vídeo acima, além das similaridades da história e personagens, algumas das cenas mais clássicas de O Rei Leão são praticamente idênticas ao anime de Kimba. E isso sem falar obviamente na similaridade no nome dos seus protagonistas, Kimba/Simba.

Quando questionado ainda em 1994 sobre as similaridades das duas produções, Rob Minkoff, diretor de O Rei Leão, respondeu ao Los Angeles Times que não estava familiarizado com o anime e que de fato Kimba nunca havia sido mencionado durante o projeto da Disney (via THR).

A roteirista Linda Woolverton, em entrevista ao San Francisco Chronicle, também afirmou desconhecer a obra de Osamu Tezuka. “Esta é a primeira vez que ouvi falar de Kimba ou Tezuka. Nunca ouvi e nem vi nada sobre o seu trabalho”. Posteriormente, Howard Green, um porta-voz da Disney na época, disse que alguns membros da equipe já tinha ouvido falar sobre Kimba.

Mas as coisas começaram a ficar mais complicadas quando Matthew Broderick, o dublador do Simba, revelou em entrevista ao Austin American-Statesman, que quando foi escalado para fazer a voz do Simba, realmente achou que o projeto seria uma adaptação de Kimba. “Eu pensei que significava Kimba, que era o leão braço que eu via na TV quando era criança. Então continuei dizendo a todos que eu iria dublar Kimba.”

Frederik Schodt, o jornalista do Los Angeles Times responsável por iniciar toda essa polêmica ainda afirma que a ideia de que ninguém do projeto de O Rei Legão ouviu falar de Kimba de Tezuka é “absolutamente impensável – qualquer um que saiba alguma coisa sobre animação sabia que isso era um absurdo”. O jornalista também diz que no trabalho de procura por referências para desenhar os leões é impossível os animadores não terem esbarrado com Kimba, e é ainda mais provável que assim como Schodt muitos deles assistiram Kimba na TV.

Enquanto a Disney permanece com a sua posição de negação, Takayuki Matsutani, o presidente da Tezuka Productions, o estúdio criado por Osamu Tezuka, concordou que alguns momentos, como na cena do Mufasa nas nuvens, a animação da Disney realmente se parecia muito com a obra de Tezuka, mas afirmou que “O Rei Leão é absolutamente diferente de Kimba, e é um trabalho original da Disney”.

Ele ainda complementa, “Se a Disney se inspirou em Kimba, o nosso fundador, o falecido Osamu Tezuka, ficaria muito satisfeito com isso”. Assim como outros animadores japoneses, Tezuka também amava as animações da Disney, sendo fortemente influenciado por Bambi.

Este website utiliza cookies. Para mais informações, consulte nossa política de privacidade.

Leia nossa política de privacidade