Recentemente foi liberado o beta fechado de Artifact, o novo card game da Valve inspirado no universo de Dota 2.

Desde o seu anúncio, muitas expectativas estavam sendo criadas encima do game, principalmente por ser vendido como um card game mais complexo, que contou até mesmo com a colaboração de Richard Garfield, o criador de Magic: The Gathering. No entanto, o modelo de monetização que a Valve está implementando no jogo pode fazê-lo ser um fracasso antes mesmo de sair oficialmente.

Primeiramente, para jogar Artifact você precisa comprar o jogo, que custa US$ 20, só que diferente da maioria dos games que tem o seu preço adaptado para mercados de outras regiões, a conversão do valor de Artifact é direta, ou seja, se você é brasileiro e quiser começar a jogar o game, precisará desembolsar logo de cara R$ 77,99.

Mas o que você ganha comprando o jogo?

Ao comprar Artifact você receberá 10 pacotes de cartas, 5 ingressos de evento e 2 decks iniciais. Os dois decks iniciais são Briga (Verde/Vermelho) e Controle (Azul/Preto). Só que após abrir os seus pacotes e tentar começar a montar os seus primeiros decks, entramos no segundo problema do jogo. A monetização de Artifact não é sustentável, ou seja, você não consegue permanecer jogando e atualizando o seu deck sem gastar mais dinheiro.

Diferente de Hearthstone, por exemplo, onde é possível comprar pacotes de cartas apenas com gold que você consegue ao vencer partidas ou completar missões, em Artifact você só consegue novos pacotes comprando-os por US$ 2 ou adquirindo os ingressos de evento que são vendidos em pacotes de cinco por US$ 4,95.

E se isso não fosse problemático o suficiente, o sistema de aleatoriedade dos pacotes do jogo também não faz sentido, já que é possível tirar nos pacotes cartas do deck inicial, sendo que elas não serviram nem mesmo para serem trocadas no mercado do Steam, já que todos os jogadores que compraram o jogo terão acesso a elas.

Os modos gratuitos de Artifact são Convocação de Guerra e Construção Casual, o primeiro permite que você escolha entre seis decks pré-definidos e jogue contra um adversário nessas mesmas condições, já o segundo é basicamente um treinamento contra bots. Nenhum desses modos oferece qualquer recompensa na forma de pacotes ou ingressos.

A monetização extremamente predatória da Valve obviamente não gerou uma boa repercussão na comunidade, diversos jogadores profissionais e streamers como Swimstrim, Kripparian e Disguised Toast, mostram bastante descontentamento com essa modelo.

Com tantas reclamações, a Valve recentemente informou que lançará uma atualização para tentar corrigir alguns desses problemas, os dois principais pontos que serão alterados na próxima versão do beta de Artifact é uma função para os jogadores treinarem os modos de escolha sem precisar pagar ingressos e um sistema que permitirá reciclar cartas repetidas em troca de ingressos de evento.

Artifact será lançado dia 28 de novembro.

Gostou do post? Curta nossa página no Facebook e receba todas as nossas últimas novidades!

Gostou? Compartilhe!


Você já ouviu o Critical Cast dessa semana?


Formado em Sistemas de Informação, que no final da faculdade resolveu se meter nesse mundo do jornalismo. Apaixonado por joguinhos, filmes e sempre atrasado com as séries. O segundo Blizzardboy do Critical Hits.