Games: Histórias, lendas e bizarrices – parte 4

Olá amigos, conhecidos e haters!

Eu sou o mooglez e hoje o texto é longo. Se você já me conhece e não se inscreveu no meu canal (SE INSCREVE AQUI!), tá perdendo tempo.

Finalmente vou escrever sobre o famoso caso “Ben Jadusable”. Um dos casos mais curiosos e diferentes sobre videogame. Acompanhei pessoalmente pelo 4chan na época. Admito que fiquei completamente cagado na época e ainda hoje fico meio fudido da cabeça ao me lembrar da história.

Antes de tudo, é um resumo das coisas que eu me lembro, junto com mais textos que encontrei na internet. Nada aqui é 100% no original. É o meu relato. Então antes de ter ataques porque não é assim como você quer que seja contado, ou ter mimimizisses nos comentários, nem leia o resto da história.

THE MAJORA’S MASK – BEN DROWNED

Sempre fui um usuário comum do 4chan. Esse papo de “anonymous” meu cu. Aliás, o próprio m00t fala que as regras foram feitas pelos usuários, não pelo site. Então elas não valem. E eu vivia lá no /b/ lendo bobagens, procurando coisas sobre games e qualquer tipo de lulz que fosse feito. Até que um dia foi postado a thread mais assustadora que eu já havia lido no dia 7 de setembro de 2010: “Hi, my name is Matt, but you can call me Jadusable…”(Olá, meu nome é Matt, mas você pode me chamar de Jadusable).

Automaticamente meus olhos não desgrudavam da tela. Eu queria saber mais. Tudo o que eu consegui acompanhar naquele dia foi que Matt havia se mudado para o dormitório da faculdade dele, tinha recebido do ex-colega de colégio um N64 e procurou por jogos antigos em garage sells, coisa muito comum nos EUA.

Quando passou numa venda de garagem de um senhor muito estranho, avistou o cartucho sem etiqueta que estava apenas escrito “Majora’s Mask”. Ao pegar a fita, o senhor disse que era um presente e que gostaria que ele fizesse bom uso. Jadusable comenta que o velho tinha um olhar parado, vidrado e isso perturbava ele. Que a coisa que ele mais queria era pegar o jogo e ir embora o mais rápido possível.

Matt pôs o cartucho no console e tudo ia bem. Até escolher os slots pra começar a jogar. Existia um game salvo com o nome de BEN que foi ignorado. E ele resolveu criar um novo jogo e foda-se a vida. – “O JOGO É MEU, EU FAÇO O QUE EU QUISER” Cartman, Eric (2001)

Aí foi o que me deixou completamente maluco ao ler o texto do Jadusable, quando ele começou a jogar Majora’s Mask glitchs começaram a acontecer. Toda vez que se referiam ao “Link”, mudavam o nome pra “Ben”. Aí apareceu uma estátua que usava as mesmas roupas do Link, porém com uma expressão paralisada.

Véio… VÉIO! VÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉIO!

QUANDO EU OLHAVA O VÍDEO QUE EXPLICAVA ISSO, EU ME BORREI TODO! SÉRIO! AINDA ME BORRO QUANDO VEJO ESSE MALDITO FILHO DUMA PUTA DO CARALHO CHUPADOR DE PIÇA MOLE E O DIACHO A QUATRO!

Juro que foi uma das coisas mais cagantes que eu já testemunhei na minha vida. E o fdp que escrevia aquele texto, escrevia muito bem. Sério.

Eu pensava mesmo que eu conseguiria fazer UM texto explicando isso. Mas a história é maior do que eu penso e já vi que vou ter que fazer em algumas partes. Majora’s Mask – Ben Drowned é muito grande pra se resumir num post pequeno.

Fora que vou fazer como os textos originais foram postados, porém com a minha visão. Foram pelo menos quatro posts. Então vou fazer quatro ou menos. Talvez três. Mas é impossível fazer apenas dois.

Espero vocês aqui semana que vem.

Não esqueçam de dar tchau pra pessoa que está parada atrás de vocês, respirando frio no cangote.

Ainda mais quando TUDO fica quieto de uma hora pra outra.

ATÉ SEMANA QUE VEM, AMIGOS!

Gostou? Então confira outras partes.

Parte 1 – Parte 2 – Parte 3

Publicado por

Este website utiliza cookies. Para mais informações, consulte nossa política de privacidade.

Leia nossa política de privacidade