Categorias: Artigos

5 bizarrices que já aconteceram em Pokémon GO – parte 3

Muito bem gamers de plantão no Critical Hits. Se você é um jogador de primeira linha, só joga Pow no celular ou até mesmo futebol de botão com o avô já sabe que o lançamento mais quente do ano até aqui é o jogo realidade aumentada Pokemon Go, e muito menos que um mês depois do lançamento, como já era de se esperar, as mais altas bizarrices já aconteceram ao redor do mundo.

Mesmo lançado em apenas uma porção de países, as situações mais bizarras já aconteceram por aí como o caso do repórter que levou um puxão de orelha no Depto de estado dos EUA por jogar na corte, ou então o mega troll que causou um super estouro de manada no Central Park, em Nova York.

Já estamos na terceira parte das loucas bizarrices que aconteceram ao redor do mundo e pelo visto pelas próximas semanas teremos muito mais sobre esse jogo que apesar de saudável já se mostra não tão inocente assim. Em muitos casos nem um pouco inocente, segura essa:

5 – Mulher descobre traição de namorado por causa do jogo

Nem Tinder nem nada. O próximo grande motivo das brigas maritais será Pokemon Go. Um afortunado rapaz chamado Evan Scribner se tornou um dos primeiros rapazes a se tornar solteiro no jogo. Motivo? Foi caçar monstrinhos no bairro da ex. Mais tarde ao se encontrar com a atual, ela acessou o jogo do rapaz e pelo histórico ela reparou que ele foi jogar pokebola no terreno dos outros.

Depois disso foi só ligar A com B, aplicar um pouco de pressão e pronto, a receita da separação estava completa. Fica o aviso para os espertalhões das cantadas do tipo “ê essa pokebola lá em casa”. Cuidado aonde você vai meter seu Pikachu.

4 – Jovem leva facada e mesmo assim continua jogando

TEMOS QUE PEGAR! Não importa a situação, não importa quanto sangue você perca. Esse lema foi levado muito a sério na segunda feira (11/07) por um jovem de 22 anos na cidade de Forest Grove no Oregon, EUA.

Durante uma caçada na madrugada, o rapaz que se diz completamente viciado no jogo avistou um rapaz na rua e decidiu aborda-lo para perguntar se ele também estava jogando o game. Ao convidá-lo para uma batalha, o desconhecido puxou uma faca e o esfaqueou no ombro.

Mesmo ferido e precisando de ajuda médica, Michael Barker se recusou a buscar ajuda imediatamente, decidindo que só iria para um hospital após completar sua missão noturna de capturar mais pokemons.

A parte bizarra da história é que o desconhecido de fato aceitou a batalha do oponente no modo live action. Vale processo nesse detalhe?

3 – Minas terrestres na Bósnia.

Para quem não conhece a história, Bósnia e Herzegovina foi cenário de uma intensa gerra civil no inicio dos anos 90 após a derrocada do comunismo e o desmembramento do território da então Iugoslávia. A herança desse conflito foi 1,1 mil km² de campos minados, granadas e outros tipos de materiais explosivos numa região que abriga um pouco mais de 15% da população do país.

Na ultima terça (19/07), a ONG Posavina Bez Mina (ou a cidade de Posavina livre de minas) denunciou em seu site que muitos jogadores do país estão adentrando áreas de risco para capturar monstros no game, e já está tentando contato com a produtora para mapear estas áreas e remover os monstrinhos das áreas de risco, antes que alguém se de muito mal nessa história.

Se você mora pela região, ou pretende caçar monstros na Bósnia, cuidado para não pisar em um Voltorb em um passeio em busca das criaturas japonesas.

2 – Primeira morte confirmada na Guatemala.

Já estava demorando não?

Jerson Lopez de Leon de 18 anos estava em casa dormindo quando seu primo o chamou para caçar monstros no jogo Pokemon Go. Ao percorrer a linha ferroviária da cidade de Chiquimula, ambos foram alvejados diversas vezes. O rapaz morreu no local, enquanto seu primo está internado em estado grave.

A polícia local trabalha com a hipótese de que ambos foram atraídos para uma emboscada, já que o aplicativo possibilita chamar seus jogadores para áreas aonde outras pessoas estão jogando. Se confirmado, este pode ser o primeiro caso oficial do jogo ter sido utilizado para fins de se cometer um assassinato.

Fica aqui a dica do Critical Hits para quando o jogo chegar no Brasil. Muito cuidado aonde você vai caçar monstros em sua cidade. Jamais se arrisque por áreas que não conhece, ou então que tem fama de ser locais perigosos.

Acima de tudo siga a principal recomendação da Niantic (desenvolvedora do game): preste sempre atenção ao seu redor, afinal, mais um pouco e a coisa toda vai se tornar um verdadeiro expurgo.

1 – Pessoas estão encontrando cadaveres ao jogar Pokemon Go

É isso mesmo, além de encontrar monstro virtuais você ainda corre o risco de encontrar presuntos frescos e mal passados nas suas aventuras fora de casa, e não foi uma vez. Já encontramos diversas notícias relacionadas a diferentes acontecimentos do mesmo tipo.

Na última semana em San Diego, nos EUA três mulheres que jogavam e andavam a procura de pokemons e ao seguir as pistas do jogo no Marian Bear Memorial acharam um cadáver no meio dos arbustos.

Em Wyoming uma jovem de 19 anos encontrou um corpo flutuando no rio enquanto jogava, e em Nashua (New Hampshire) um jogador também avistou um cadáver em um lago. Todas as mortes já estão sendo investigadas pela polícia, e nenhuma tem envolvimento direto com o jogo aparentemente.

Reza a lenda que o FBI já está lançando um departamento de jogadores para caçar livremente, afinal, o jogo em si já achou mais desaparecidos que a própria polícia do Rio de Janeiro nos últimos anos. E pelo sim pelo não, melhor jogar vídeo game em casa, não é? Tá mais seguro lá mesmo…

E aqui ficamos com essa bizarra e até chocante lista dos acontecimentos das últimas semanas de Pokemon Go. Mas não se preocupe, logo em breve já voltamos com mais notícias relacionadas à este quente lançamento mundial.

Não esqueçam de curtir e comentar o artigo, assim como mandar pros amiguinhos, postar no Facebook e mostrar para avó.

Não esqueça também de se tornar um patrão do nosso site e ter o melhor do conteúdo do Critical Hits em primeiro lugar, e sem notícias.

Até a próxima!

Este website utiliza cookies