NBA 2K17 – Review

Entra ano e sai ano, se tem uma coisa que nós podemos afirmar com um grande grau de certeza é que a 2K Games sempre prepara a melhor edição dos jogos de basquete do mundo dos games. A distância entre ela e a concorrência é abismal, e tudo o que a companhia tem precisado fazer nos últimos anos são leves incrementos nos seus jogos, para adicionar mais profundidade e mais conteúdo aos fãs do basquete. Como NBA 2K17 dá mais um passo nessa direção? É o que vamos descobrir hoje.

A franquia NBA 2K como um todo, para mim ao menos, faz algo que outras franquias de esporte falham em fazer, que é colocar o jogador em contato com os profissionais do basquete, com os próprios jogadores. É difícil colocar em palavras exatas, mas as nuances do jogo claramente colocam você num patamar muito mais próximo a cada um dos astros da NBA do que Fifa e companhia fazem em outros jogos de esporte. Em NBA 2K17, mais ainda, você vê LeBron James ou Stephen Curry em quadra, por exemplo, e mesmo os jogadores mais desconhecidos da liga, como a trigésima escolha do segundo round do draft desse ano, por exemplo, é retratada fielmente.

No jogo, você encontra uma série de modos diferentes de jogo, desde o clássico “Exibition”, onde você e outro time jogam um contra o outro, a uma temporada completa, ou ainda os meus modos favoritos, que são o My GM e o My Career. No primeiro deles, você é o GM de um time, e deve decidir o que fazer com o seu time, como melhorá-lo e assim por diante.

Para um fã do Phoenix Suns, time que tem estado mal na liga desde a saída de São Steve Nash para o Lakers, isso significa muito trabalho, escolhas certas, trocas cirúrgicas e muito mais para fazer o time não só voltar aos playoffs, mas também para finalmente ganhar o primeiro título da franquia. Já o modo My Career é o clássico modo história do jogo, onde você é um jogador que deve partir do basquete universitário como o melhor recruta da High School americana e chegar ao Draft da NBA para profissionalizar-se e jogar as temporadas do jogo.

Nesse modo, você controla apenas o seu personagem durante as partidas, e deve tentar ter o melhor desempenho possível. Como há vários tipos de jogador que você pode ser (você quer ser um armador? Mas você vai ser um armador que distribui o jogo ou um armador pontuador? Ou quem sabe um armador reboteiro, no melhor estilo Jason Kidd? Ah, prefere ser ala-armador? Mas dos que arremessam de três, dos que batem pra dentro ou dos que pontuam de média distância? Ou ainda dos que são focados na defesa?) as possibilidades são imensas, dando assim a possibilidade de os jogadores que realmente amam e entendem de basquete se divertirem ao máximo e ficarem destrinchando números e mais números do seu jogador e da liga como um todo.

Algo que eu não gostei muito, e é um problema que persiste, no modo My Career, é que a progressão do seu jogador é lenta demais. Ok, nós temos 82 jogos por temporada e cada jogador joga algo entre 10 e 15 anos, e você poder maximizar o seu jogador logo no primeiro ano seria sacanagem, mas parece que a 2K Games ainda não encontrou um equilíbrio perfeito entre progressão lenta demais e progressão acelerada, mas, se você é como eu já fui um dia (que cheguei a ter 200 horas de NBA 2K10 e 2K11), você certamente vai aproveitar o jogo bastante.

Mas quais são as grandes novidades do jogo no desenrolar das partidas? Bom, mais do que em qualquer outra edição, NBA 2K17 traz uma liberdade de controles impressionante. Você agora pode controlar direções de como vai roubar uma bola, por exemplo, ou fazer ajustes no seu arremesso no meio dele com as alavancas, ou ainda no seu controle de bola. Para quem é um jogador mediano do jogo, as mudanças não são tão perceptíveis assim, mas caso você seja daqueles que gosta de destrinchar o jogo, usa a alavanca para arremessar, defende feito um maluco ou tenta driblar o time todo, aí o jogo apresenta de fato as novidades que tem a oferecer.

Não só os dribles com a bola foram melhorados, mas alguns movimentos clássicos do basquete, como o arremesso vindo do drible, ou os crossovers, também ganharam mais opções de movimentação, colocando o jogo a mais um passo do realismo apresentado na própria NBA. Outra novidade que a 2K Games adicionou ao jogo são algumas opções de arremesso. Se você acompanhou um pouquinho que seja da NBA no ano passado, você deve ter ouvido falar sobre Stephen Curry e os jogos simplesmente monstruosos que ele estava tendo, tanto que a 2K Games teve que mexer no jogo para que o personagem dele dentro do game refletisse na contrapartida dele no mundo real. Bom, nesse ano eles se adicionaram, e arremessadores puros do jogo, como JJ Redick ganharam algumas novidades, como a percepção de que você tem que ficar atrás da linha de 3 para maximizar a sua chance de pontuar (afinal, o “long two” é o arremesso mais burro da história da NBA).

Graficamente, NBA 2K17 continua um espetáculo visual, com jogadores extremamente detalhados, arenas realistas, torcida que realmente parece estar no jogo, e não ser um bando de bonecos de papelão, e assim por diante. O jogo realmente ficou muito bonito mesmo nas versões de console. A trilha sonora do game novamente apresenta uma ótima seleção de músicas, e a narração do jogo é muito boa, seja durante as jogadas, seja nos comentários sobre os jogadores (um dos melhores pontos da trilha sonora, aliás). Só é uma pena que o idioma português ficou de fora do jogo.

Review elaborado com uma cópia do jogo para PlayStation 4 fornecida pela 2K Games.

Resumo para os preguiçosos

NBA 2K17 é mais um passo na direção de uma franquia que está cada vez mais e mais realista. Se você é um jogador médio ou iniciante, você pouco vai notar as diferenças, mas para os que gostam de entrar de cabeça no mundo do basquete, seja nas partidas, seja no modo carreira, seja no modo GM, aqui temos um prato cheio, com novidades significativas em dribles, arremessos e, principalmente, opções de personalização e detalhes. Se tem uma coisa que a franquia NBA 2K faz é dar atenção aos detalhes, e NBA 2K17 faz isso como nenhum outro jogo de esporte.

Nota final

90
Saiba mais sobre os nossos métodos de avaliação lendo o nosso Guia de Reviews.

Prós

  • Novidades em arremessos e dribles para os jogadores mais avançados
  • Toneladas de opções no modo GM
  • Modo carreira reformulado e melhorado
  • Excelente trilha sonora e comentários durante as partidas

Contras

  • O modo carreira ainda tem um progresso lento
  • Falta de menus e legendas em português
Eric Arraché

Eric Arraché Gonçalves é o Fundador e Editor do Critical Hits. Desde pequeno sempre quis trabalhar numa revista sobre videogames. Conforme o tempo foi passando, resolveu atualizar esse sonho para um website e, após vencer alguns medos interiores, finalmente correu atrás do sonho.

Publicado por

Este website utiliza cookies. Para mais informações, consulte nossa política de privacidade.

Leia nossa política de privacidade