Ghosts ‘n Goblins Resurrection – Review

A Capcom tem uma das bibliotecas de clássicos mais extensas das desenvolvedoras de jogos, e Ghosts ‘n Goblins Resurrection é (mais uma, já que o jogo já recebeu um remake no PSP) uma tentativa de trazer este clássico para a atualidade. Como será que este novo game se sai tanto na missão de corresponder às expectativas de quem já jogou o clássico quanto para quem nunca se aventurou nela?

Em Ghosts ‘n Goblins Resurrection, você controla o eterno Arthur, e deve salvar sua princesa que foi sequestrada. O enredo do jogo é bastante simples, já que a ideia é você pegar o jogo, sair se aventurando pelas fases e provavelmente morrer bastante no processo.

Caso você nunca tenha jogado nenhum dos jogos da franquia, o que você precisa saber sobre a jogabilidade de Ghosts ‘n Goblins Resurrection é basicamente o seguinte: o jogo é um sidescroller onde você avança pelas fases, enfrenta inimigos, encontra armas que podem ou não podem ser tão úteis assim na sua jornada, enfrenta um chefe no meio das fases e também um no final delas.

Além disso, dentro destas fases, você encontra uma inovação na franquia, as “Sementes Umbrais”, que servem para você desbloquear novas magias para Arthur entre uma fase e outra do jogo.

Outra novidade é a possibilidade de escolher entre duas fases para seguir o seu caminho. Apesar de você não precisar jogar ambas as fases, é possível fazer isso para obter mais sementes, e assim desbloquear novos power ups.

Apesar de ser um remake, Ghosts ‘n Goblins Resurrection traz uma importante mudança em relação às encarnações anteriores da franquia: a ausência do pulo duplo de Arthur. Isso deixa o jogo bem mais difícil do que ele aparentemente fica, já que a sua margem de manobra nos pulos diminui consideravelmente.

Além disso, este jogo também conta com níveis de dificuldade, indo de extremamente difícil, no nível mais alto, a ainda assim difícil no mais baixo deles. Além de menos inimigos, os níveis mais fáceis do jogo também dão a oportunidade de você ser atingido mais vezes antes de morrer. Cada vez que Arthur é atingido por um inimigo, ele perde partes da armadura, até o momento em que fica apenas de cuecas. Depois disso, qualquer ataque que você levar é morte na certa. No nível de dificuldade mais alto do jogo, você perde toda a armadura antes de ficar por um fio, ou seja, tem apenas duas chances.

Além disso, nos níveis de dificuldade mais fáceis do jogo, o game também conta com savepoints durante as fases. Caso você morra, é possível recomeçar a partir deles, caso contrário, você começa do início. Vale ressaltar, entretanto, que a maioria das fases do jogo não é tão longa assim, já que o limite de tempo para você completá-las é de 7 minutos, mas como o jogo é bem difícil, e as mortes são constantes, você acaba ficando bem mais tempo do que isso nas fases.

Mas Ghosts ‘n Goblins Resurrection é mesmo difícil? A resposta é, sim, bem difícil. Eu não tenho vergonha de dizer que fui tentar jogar o jogo na dificuldade clássica e passei mais de uma hora sem conseguir completar a primeira fase do game. O jogo certamente vai fazer até os mais experientes em jogos de plataforma chorarem sangue. Mesmo assim, o jogo não é injusto, já que se você memorizar bem o que deve fazer e a como ler os padrões dos inimigos, é possível ir avançando no game, ainda que a um certo custo da sua sanidade.

Vale ressaltar aqui também que caso você escolha o modo mais fácil do jogo, ele não te traz o game inteiro, então se você está com dificuldades, o jeito é jogar no segundo modo menos difícil e ir aprendendo a se virar. Mesmo nele o jogo já é bem desafiador.

Além disso, o jogo conta com um modo coop (disponível em todos os modos exceto no mais difícil) que ajuda bastante a sua vida, e que deixa as coisas ainda mais divertidas.

Graficamente, Ghosts ‘n Goblins Resurrection ficou bem bonito. O jogo roda bem tanto no modo portátil quanto no modo dock do Nintendo Switch, e é legal ver que o console se deu numa boa com a RE Engine, o que abre portas para a Capcom desenvolver mais projetos nela para o console. A trilha sonora do jogo é muito boa também, e traz músicas novas e versões refeitas das músicas originais da franquia.

Mas e aí, Ghosts ‘n Goblins Resurrection vale a pena?

Ghosts ‘n Goblins Resurrection é um remake à altura do clássico, e se você gosta de um bom desafio de plataformas, esse jogo é pra você. Mesmo no modo mais fácil o jogo já é bem desafiador, o que pode assustar algumas pessoas do título, mas mesmo com toda essa dificuldade, o jogo é bem divertido e certamente vai fazer você passar boas horas na frente do Switch, seja sozinho, acompanhado no modo coop do game.

Review elaborado com uma cópia do jogo para Nintendo Switch fornecida pela desenvolvedora.

Resumo para os preguiçosos

Ghosts ‘n Goblins Resurrection é um remake à altura do clássico, e se você gosta de um bom desafio de plataformas, esse jogo é pra você. Mesmo no modo mais fácil o jogo já é bem desafiador, o que pode assustar algumas pessoas do título, mas mesmo com toda essa dificuldade, o jogo é bem divertido e certamente vai fazer você passar boas horas na frente do Switch, seja sozinho, acompanhado no modo coop do game.

Nota final

80
Saiba mais sobre os nossos métodos de avaliação lendo o nosso Guia de Reviews.

Prós

  • Super desafiador (porém justo)
  • Coop divertido
  • Belos gráficos e trilha sonora

Contras

  • A dificuldade certamente vai espantar alguns jogadores
Eric Arraché

Eric Arraché Gonçalves é o Fundador e Editor do Critical Hits. Desde pequeno sempre quis trabalhar numa revista sobre videogames. Conforme o tempo foi passando, resolveu atualizar esse sonho para um website e, após vencer alguns medos interiores, finalmente correu atrás do sonho.

Publicado por

Este website utiliza cookies. Para mais informações, consulte nossa política de privacidade.

Leia nossa política de privacidade