Games

Pokémon Brilliant Diamond/Shiny Pearl – Review

Após o lançamento de Pokémon Let’s Go Eevee/Pikachu, eu imaginava que a GameFreak manter o mesmo nível de detalhes para os próximos remakes que fosse desenvolver, mas este acabou não sendo o caso. Não só a GameFreak decidiu mudar completamente o estilo de arte da franquia para estes novos remakes, como colocou o desenvolvimento deles nas mãos de outra desenvolvedora, a ILCA, para poder dar atenção total ao novo projeto da franquia Pokémon; Pokémon Legends: Arceus.

Esta mudança acabou resultando em um remake muito mais simples do que o esperado, mas que mantém tudo que um fã da franquia Pokémon poderia querer.

Pokémon Brilliant Diamond/Shiny Pearl é um remake 100% fiel aos jogos originais do Nintendo DS, contendo pouquíssimas adições e mudanças, o que é muito bom e ruim ao mesmo tempo. Por um lado, a sensação de nostalgia nunca foi tão forte, já que tudo continua em seu devido lugar do que jeito que lembrávamos mas com gráficos atualizados e várias melhorias em qualidade de vida.

Lucas e Cynthia – Reprodução: Pokémon Brilliant Diamond/Shiny Pearl

Mas ao mesmo tempo é como se estivéssemos jogando o mesmo jogo de 2006. Brilliant Diamond/Shiny Pearl é fiel a um ponto que chega a ser estranho. As novas adições são muito bem vindas, mas elas não são o suficiente para justificar um remake. Ainda assim, poder revisitar Sinnoh com novos gráficos é algo maravilhoso além de ser uma ótima oportunidade para os milhões de donos de Nintendo Switch que não tiveram a chance de conhecer a 4ª geração de Pokémon.

Ao invés de focar no jogo como um todo, este review cobrirá apenas as mudanças e novidades introduzidas neste remake, afinal, a fórmula de Pokémon e os elementos de RPG continuam os mesmos há bastante tempo, então não há motivos para discuti-los novamente.

Começando pelo sistema de HM, que surpreendentemente acabou voltando à franquia, porém de uma forma um pouco diferente. Ao invés do jogador precisar colocar cada HM em um de seus pokémon (o que muitas vezes levava a criação de um grupo com 5 pokémon treinados e 1 dedicado apenas à segurar os HM), é possível utilizar os HM diretamente do menu sem ter um pokémon associado a ele. Ao fazer isso, o jogo convenientemente chamará um pokémon selvagem para utilizar o HM em questão e ir embora.

Rota 204 – Reprodução: Pokémon Brilliant Diamond & Shining Pearl

Apesar disto remover outro aspecto de estratégia do jogo e torná-lo ainda mais fácil, é uma melhoria de qualidade de vida muito bem vida, pois dá uma liberdade ainda maior na hora de escolher que pokémon treinar e que habilidades colocar neles. Além desta mudança, Brilliant Diamond/Shiny Pearl também trouxe o EXP Share para o grupo inteiro.

Graças a isto, todos os pokémon no seu grupo receberão experiência, mesmo se não participarem na batalha. Isto já vem acontecendo há algumas gerações, e portanto seria estranho se também não fosse implementado nestes remakes. Se você queria ter algum desafio ou esperava uma aventura com algumas dificuldades, Brilliant Diamond/Shiny Pearl (assim como os últimos jogos da franquia) não são o melhor lugar para isto.

De todas as mudanças introduzidas por estes remakes, a maior e mais interessante delas com certeza é o Grand Underground. Nos jogos originais, o Underground era um lugar cheio de minigames e elementos multiplayer. Em Brilliant Diamond/Shiny Pearl, o lugar foi totalmente repaginado e renomeado como o Grand Underground, e está repleto de coisas para se fazer.

Assim como no jogo original, é possível encontrar lugares no Grand Underground que podem ser cavados, e ao fazer isto o mesmo minigame será iniciado. Nele, é possível usar ferramentas para tentar desenterrar itens que podem ser trocados em certos vendedores por outros itens como esferas ainda maiores, TMs e etc. O estoque destes vendedores é mudado constantemente, o que torna cada visita ao Grand Underground única.

Uma novidade muito bem vinda ao Underground são os esconderijos Pokémon. O Grand Underground possui vários biomas diferentes, e é possível encontrar vários pokémon selvagens por lá. Grande parte dos Pokémon de Brilliant Diamond/Shiny Pearl só podem ser encontrados nestes locais, incluindo aqueles que não fazem parte da Pokédex de Sinnoh.

Por último, o Grand Underground também permite que o jogador faça e decore sua própria base secreta. Além de ser uma adição bem legal, decorar sua base com estátuas de Pokémon específicos aumentará a chance de pokémon deste mesmo tipo aparecerem no Grand Underground. Várias estátuas podem ser colocadas de uma única vez, e com um pouco de estratégia é possível fazer com que certos pokémon apareçam com uma frequência muito maior que o normal, tornando assim muito mais fácil a captura deles e por sua vez, o progresso na Pokédex.

O Grand Underground é de longe o lugar em que os jogadores passarão a maior parte do seu tempo  em Brilliant Diamond/Shiny Pearl por possuir várias formas de se interagir com o mundo e dar ótimas recompensas, como itens muito úteis e pokémon raros.

Outra mudança simples mas interessante é a habilidade de alterar os efeitos das pokébolas. É possível personalizar de forma bem robusta o que acontecerá quando um de seus pokémon sair da Pokebóla. Existem inúmeros adesivos e efeitos que podem ser colocados em praticamente qualquer lugar. Batalhar online com outros jogadores e ver a criação de cada um deles é algo bem legal, apesar de ser puramente cosmético e não afetar em nada o gameplay.

No mais, Pokémon Brilliant Diamond/Shiny Pearl é um remake fiel ao extremo da Quarta Geração de Pokémon, adicionando poucas novidades, que apesar de muito bem vindas não fazem jus a um remake tão importante como este. Dito isto, Sinnoh ainda é uma região incrível e finalmente pode ser revisitada em um console moderno. O jogo é uma dose gigantesca de nostalgia para aqueles que jogaram o original, e uma experiência bem agradável aos que nunca tiveram a chance.

Review elaborado com uma cópia do jogo disponibilizada pela Nintendo do Brasil.

Resumo para os preguiçosos

Pokémon Brilliant Diamond/Shiny Pearl é um remake extremamente fiel ao material original, trazendo uma verdadeira onda de nostalgia para os que jogaram o original ao mesmo tempo em que traz uma ótima aventura e uma das melhores gerações de Pokémon à um console moderno e um novo público que nunca teve acesso à ela. Entretanto, a quantidade de novidades introduzidas é muito baixa, apesar de serem bem executadas. De qualquer forma, Pokémon Brilliant Diamond/Shiny Pearl é um jogo repleto de conteúdo e diversão tanto para quem nunca conheceu Sinnoh como para quem está revisitando a região depois de tantos anos.

Nota final

75
Saiba mais sobre os nossos métodos de avaliação lendo o nosso Guia de Reviews.

Prós

  • Várias melhorias de qualidade de vida
  • Uma dose de nostalgia enorme para os que jogaram o original
  • O Grand Underground foi totalmente repaginado e está repleto de novidades

Contras

  • Apesar de boas, as quantidade de novidades introduzidas foi muito baixa
  • O jogo dificilmente apresentará um desafio para jogadores experientes

Este website utiliza cookies. Para mais informações, consulte nossa política de privacidade.

Leia nossa política de privacidade