Persona 5 Strikers – Review

Persona 5 se consagrou como o jogo mais bem sucedido da Atlus, e portanto era de se esperar que a desenvolvedora Japonesa continuasse a expandir o universo do jogo. Desde seu lançamento original em 2016, Persona 5 já recebeu dois Spin-offs (Persona Q2 e Dancing in Startlight) e uma versão atualizada e repleta de melhorias, chamada Persona 5 Royal.

Porém, uma das coisas mais pedidas pelos fãs do game era uma continuação para a história de Joker e dos Phantom Thieves, e é exatamente isto que Persona 5 Strikers é.

Lançado em 2020 no Japão, Persona 5 Strikers é uma continuação direta de Persona 5, se passando 6 meses após o fim da história do jogo, mas com um gameplay bem diferente. Desta vez, a Atlus se juntou com a Koei Tecmo para trazer o gameplay da franquia Warriors para o mundo de Persona; uma combinação bem inusitada mas que funciona surpreendentemente bem.

Strikers começa de uma maneira bem devagar, com Joker e Morgana voltando à Tóquio para passar as férias de verão com o resto dos Phantom Thieves. As primeiras horas do game dão bastante foco a esta reunião, algo que todo fã do game original está interessado em assistir. Entretanto, não demora muito até que um novo mistério surja, levando os Phantom Thieves de volta ao Metaverso, mas desta vez o problema não está apenas em Tóquio, mas espalhado por todo o Japão.

Para resolver esta crise e impedir que Joker seja preso, os Phantom Thieves precisam viajar por todo o Japão atrás de novas dungeons e vilões, chamados de Cadeias e Monarcas, respectivamente.

A história é ótima, e consegue se manter interessante por todo o jogo. Os novos vilões e suas respectivas cadeias também são bem interessantes e cumprem bem o seu papel. Porém, a história de Strikers se desenvolve de uma forma bem mais rápida do que estamos acostumados com os jogos da franquia Persona, o que dá a impressão que o jogo é curto comparado aos jogos anteriores. Mas é importante salientar que Persona 5 Strikers não possui os elementos de Life Sim que Persona 5, e portanto os dias (e eventos importantes), acabam passando mais rápido, assim como as dungeons parecem ser mais curtas, porque o sistema de combate é muito mais rápido e dinâmico do que um combate por turnos.

Por falar em combate, Strikers conseguiu misturar as mecânicas de Persona 5 com o gameplay de ação da franquia Warriors de forma impecável. Como é de costume em jogos do tipo Warriors, enfrentamos dezenas de inimigos de uma vez, dizimando vários deles sem se esforçar muito. Mas no caso de Persona 5 Strikers, todo o sistema de afinidade elemental presente em Persona 5 foi portado perfeitamente.

Além de inimigos normais, também enfrentamos inúmeras Shadows em Strikers, e todas elas possuem as mesmas propriedades que tinham em Persona 5. Tanto suas forças e fraquezas elementais como seus ataques permanecem os mesmos, e cabe ao jogador utilizar os elementos certos para conseguir a vantagem durante o combate.  O sistema de combate é incrivelmente dinâmico e recompensador, com combates que podem acabar em poucos segundos caso o combo certo de habilidades sejam utilizados.

Após as primeiras horas de gameplay, todos os Phantom Thieves podem ser controlados a qualquer momento, com a adição de uma nova personagem: Sophia, uma robô misteriosa que não perdeu suas memórias e que desempenha um papel fundamental para a história.

Todos os Phantom Thieves possuem habilidades diferentes em combate, com mecânicas exclusivas para cada membro do grupo. E apesar das diferenças entre cada personagem não serem gritantes, elas ainda trazem uma boa variedade para o jogo.

Assim como no jogo original, Joker continua com o poder de conseguir máscaras de outras personas e a capacidades de fundi-las na Velvet Room. O número de personas disponíveis em Strikers foi bastante reduzido, mas ainda existem dezenas (talvez até centenas) de personas disponíveis para se coletar ou se criar através de funções.

E enquanto os combates são super fluídos e dinâmicos, as vezes fica difícil de entender o que exatamente está acontecendo devido a quantidade de personagens e efeitos na tela. Este problema fica bem mais evidente em combates em lugares mais apertados, onde o jogador muitas vezes acaba sendo acertado sem nem perceber, o que pode levar a mortes rapidamente na dificuldade Hard (dificuldade em que joguei).

Além disso, a câmera também atrapalha um pouco em combates fechados, mesmo quando o lock-on está ativo. A maneira mais eficaz de evitar estes problemas é ficar longe de cantos e quinas em combates mais fechados, mas ainda assim é bem provável que você se depare com problemas de câmera em algum momento.

Alguns dos maiores pontos positivos de Persona 5 estava em sua apresentação: Os gráficos repletos de shader e o estilo de arte estupidamente bonito eram alguns dos maiores chamativos do game, e é com muita felicidade que eu confirmo que Persona 5 Strikers não só trouxe este estilo de arte de volta, como o elevou ao próximo nível. Tudo está mais colorido do que antes, o que dá dá ao game um ar diferente e um pouco mais leve enquanto torna os personagens e o mundo como um todo mais vivo.

Isto, somado à trilha sonora espetacular tornam a experiência de Persona 5 Strikers ainda melhor e mais única.

Por fim, Persona 5 Strikers é uma continuação digna dos Phantom Thieves, com um sistema de combate completamente diferente do jogo original, mas que retém boa parte das mesmas mecânicas. A história é envolvente e consistentemente boa, enquanto o estilo de arte, a trilha sonora e os gráficos estão melhores do que nunca. Apesar de possuir pequenos problemas de clareza e de câmera, Strikers ainda é título obrigatório para aqueles que amaram Persona 5 e querem ver mais dos Phantom Thieves of Hearts.

Review elaborado com uma cópia do jogo para PlayStation 4 concedida pela desenvolvedora.

Resumo para os preguiçosos

Persona 5 Strikers une o sistema de combate da franquia Warriors com as mecânicas do combate por turnos da franquia Persona, resultando em um jogo dinâmico e repleto de estratégia ao mesmo tempo. A história é interessante e os novos personagens são ótimos, e todo fã de Persona 5 ficará contente com o resultado. Apesar de pequenos problemas de câmera, o estilo de arte belíssimo e a trilha sonora espetacular fazem de Strikers um jogo essencial para todo fã da franquia Persona.

Nota final

90
Saiba mais sobre os nossos métodos de avaliação lendo o nosso Guia de Reviews.

Prós

  • Estilo de arte e gráficos incríveis
  • Trilha sonora espetacular
  • Enredo muito interessante que continua a expandir a história dos Phantom Thieves e o mundo de Persona 5
  • As mecânicas da franquia Persona foram perfeitamente portadas para o sistema de combate da franquia Warriors

Contras

  • A câmera pode atrapalhar bastante durante combates em lugares mais apertados
  • As vezes é difícil de entender o que está acontecendo em combate contra muitos inimigos, principalmente em locais apertados
  • Não possui legendas ou menus em português
David Brito

Fã de Roguelikes e J-RPGs, David passa a maior parte do seu tempo livre testando novos jogos e lembrando a todos o quanto ele ama a franquia Persona.

Este website utiliza cookies. Para mais informações, consulte nossa política de privacidade.

Leia nossa política de privacidade