Os piores jogos do mundo – parte 4

Fala, galera, tudo bom com vocês? Faz mais de um mês que eu fiz a última postagem com os piores jogos do mundo. Bom, a série volta hoje com alguns dos jogos mais decepcionantes dessa geração, seja por ele ter criado hype e não ter correspondido, seja por ele ser realmente muito ruim mesmo. Vamos lá?

4. Call of Duty: Black Ops Declassified

Call of Duty: Black Ops Declassified prometia ser o Killer App do PlayStation Vita. O jogo que faria o console vender mais do que pãozinho quente e que daria ao portátil a dianteira diante do 3DS. Quase dois anos depois, ainda estamos nos perguntando como conseguiram fazer algo tão ruim.

O jogo parece mais uma demo técnica do que qualquer outra coisa. Ok, os gráficos não são ruins, mas a jogabilidade dele realmente não é boa. O jogo é todo durão e cheio de bugs. Quem consegue ficar mais de 30 minutos na frente do portátil jogando-o, merece uma medalha de bravura, pois haja nervos pra isso. Pra completar, o modo história de Black Ops Declassified tem uma hora de duração. Isso mesmo, uma hora.

3. SimCity

SimCity é outro jogo que encheu todo mundo de esperanças e… nos deu um belo tapa na cara. Seja por causa dos constantes bugs, seja por causa da necessidade de estar sempre online para jogar (o que nem sempre funciona, porque convenhamos que a internet no Brasil é instável e que os servidores da EA são mais instáveis ainda), o jogo fracassou de maneira retumbante na promessa de reviver uma das séries mais queridas dos anos 90.

2. Final Fantasy: All the Bravest

Final Fantasy: All the Bravest prometeu trazer um Final Fantasy clássico e original aos celulares por um preço modesto. Algo simples de ser feito por uma empresa responsável por alguns dos maiores RPGs de todos os tempos, certo? Errado. A Square Enix fez uma das maiores cagadas do mundo com esse jogo, que é basicamente um ralo de dinheiro.

Em Final Fantasy: All the bravest, você é jogado numa miríade de batalhas em turnos onde você tem duas opções, lutar ou esperar a porcaria do contador de turnos deixar você atacar novamente. Sim, o jogo te cobra por turnos jogados. Agora imagina derrotar um chefe com um milhão de HP tirando de 1000 em 1000. Esse jogo é um dos maiores exemplos de como uma empresa pode ser cara de pau e tentar fazer uns trocados rápidos com uma marca que (infelizmente) anda perdendo todo e qualquer respeito que construiu durante os anos.

1. Postal III

Sabe quando um jogo é tão ruim que a empresa tá desiste de vendê-lo? Foi exatamente isso o que a Running with Scissors fez com Postal III. O jogo foi terceirizado para uma empresa Russa que provavelmente nunca tinha feito um jogo na vida. O resultado foi um dos piores jogos de todos os tempos, cheio de bugs, sem a possibilidade de jogar em mundo aberto e com quase nada da violência característica da série Postal.

Gostou? Confira as outras partes

Parte 1 – Parte 2 – Parte 3

Eric Arraché

Eric Arraché Gonçalves é o Fundador e Editor do Critical Hits. Desde pequeno sempre quis trabalhar numa revista sobre videogames. Conforme o tempo foi passando, resolveu atualizar esse sonho para um website e, após vencer alguns medos interiores, finalmente correu atrás do sonho.

Este website utiliza cookies. Para mais informações, consulte nossa política de privacidade.

Leia nossa política de privacidade