Os 5 DLC mais cara de pau da história do videogame

Fala, galera, tudo bom com vocês? Hoje vamos falar sobre um assunto bem controverso, os DLC. Para quem não sabe do que se trata (fala aí seu jogador de jogo pirata), DLC é um conteúdo extra que você compra e baixa para o seu jogo. Às vezes isso significa uma campanha completamente nova, às vezes cenários novos, às vezes uma armadura para o seu cavalo. Isso mesmo, hoje vamos falar sobre alguns dos DLCs mais cara de pau da história dos games.

Pagar por uma nova paleta de cores

Em Street Fighter III: 3rd Strike para Xbox 360 e PlayStation 3, a Capcom fez um excelente trabalho em trazer o melhor jogo de luta de todos os tempos (opinião minha, não fique nervoso) para os consoles de nova geração e implementar novidades muito boas, como a possibilidade de desafiar outras pessoas pela internet. Até aí tudo bem, mas olha a sacanagem dessa imagem acima, os caras queriam vender roupas novas para os personagens via DLC que não representavam nada mais do que a troca da paleta de cores do personagem.

Aliás, quem por acaso curte usar o Ken com um quimono que não seja o vermelho?

Pagar por.. vidas extras!

Em Sonic Lost World, você podia comprar o jogo antecipadamente pela Amazon e receber esse baita bônus em DLC: 25 vidas. Sério, SEGA, vocês não têm mais o que inventar? O pior é que o pacote foi disponibilizado depois para compra dentro do jogo, apesar de eu não entender muito bem o porquê disso, já que você pode simplesmente recarregar o seu save quando der game over e não ser penalizado por isso, no máximo você tem que voltar a passar de uma ou duas fases, mas enfim, esse provavelmente é o DLC mais desnecessário da história.

Pagar para subir de nível mais rápido

Você compra um jogo de RPG mas tem preguiça de dar level up nos seus personagens. O que você faz? Paga para que eles ganhem níveis, é claro. Em 2008, a Namco teve essa brilhante ideia em Tales of Vesperia. Que bom que a moda não pegou, senão imagina o que iam ser os RPGs de lá para cá.

Para por armadura pro cavalo

A ideia de liberar conteúdo por meio de download pago para jogos surgiu um pouco após o lançamento de The Elder Scrolls: Oblivion, e a Bethesda decidiu experimentar com essa nova modalidade de ganhar dinheiro. O problema é que os desenvolvedores não entenderam direito a ideia da coisa, ou eram muito visionários nas práticas do DLC completamente inútil, já que lançaram a possibilidade de você comprar armaduras para enfeitar o seu cavalo no jogo e só, pois elas não protegiam eles de maneira melhor, eram apenas um enfeite de US$ 2,50.

Pagar por roupas ridículas

Fechando nossa postagem de hoje, temos essa roupa de Lightning Returns que não tem nada a ver com o nosso colaborador Mooglez. A Square Enix meio que se emocionou com a ideia de roupas extras para a Lightning e lançou uma penca delas. Tem roupa da Aerith do Final Fantasy VII, da Yuna do Final Fantasy X, da Lara Croft, enfim, tem roupa para todos os gostos, por piores que eles sejam.

Que outros tipos de DLC completamente ridículos vocês lembram de outros jogos? Deixem seus comentários!

Eric Arraché

Eric Arraché Gonçalves é o Fundador e Editor do Critical Hits. Desde pequeno sempre quis trabalhar numa revista sobre videogames. Conforme o tempo foi passando, resolveu atualizar esse sonho para um website e, após vencer alguns medos interiores, finalmente correu atrás do sonho.