Categorias: Artigos

Games: Histórias, lendas e bizarrices – Parte 34: Good bye, so long, Flappy Bird

Olá amigos, conhecidos e haters.

Continuando com a coluna pra ela voltar a ser semanal! Ou porque não que ela seja pelo menos duas vezes por semana, não?

E já sabe, se não me segue no twitter, siga(clica aqui). Não se inscreveu no meu canal ainda? Se inscreve! Hoje é mais um dia da minha coluna aqui e então vamos falar sobre coisas aleatórias ou bizarras do mundo dos games.

Good bye, so long, Flappy Bird

Cara… que é isso? Qual a necessidade disso?!

Se você não esteve escondido em alguma caverna nos últimos dias, sabe muito bem que o jogo que estava deixando muita gente maluca, foi descontinuado do iTunes e do Google Play. Os motivos não foram muito bem explicados no dia, sábado – 8 de fevereiro de 2014, apenas que o criador, Dong Nguyen, não suportava mais.

Tradução: “Peço desculpas jogadores de ‘Flappy Bird’, em 22 horas eu vou tirar Flappy Bird do ar. Eu não aguento mais.”

O que ele suportava não ficou nem um pouco claro e depois vamos falar disso, mas por hora o ponto que quero desenvolver é o seguinte: Como um simples jogo, sem grandes interesses de se tornar o jogo mais jogado do momento, pode-se tornar uma das maiores febres? Um dos jogos mais baixados no iTunes e Google Play foi alavancado por brincadeiras envolvendo sua dificuldade em sites como Tumblr, Reddit e 4chan.

Virou o burburinho entre amigos jovens pela dificuldade e pelas reações ao jogar o game. Tá duvidando? Então olha esse vídeo aí embaixo.

Mas o triste da coisa não foi bem esse. O lado chato foram que os fãs por não conseguirem vencer o desafio começaram a atacar pessoalmente o criador do jogo, via Twitter e outras formas de redes sociais. Fosse através de e-mail, vídeos, twitts ou posts no Tumblr e Reddit. O que se mais viu foram jovens de 12 a 16 anos cometendo ataques de xenofobia pelo fato de Dong ser Vietnamita e relacionar à Guerra do Vietnam, de 1956 até 1975.

Tradução: “Você é uma porr* dum c*zão!!! E essa m*rda desse jogo é uma bosta. E você continua sendo um c*zão. Se mata, cara!”

Um dos motivos principais pra que ele tirasse o jogo do ar foi justamente esse. Não envolve problemas com a Nintendo, processos por possível plágio ou algo ligado à justiça. O fato foi que jogadores que não sabem separar game da vida real estragaram a brincadeira. Então quer dizer que toda hora que você não passar em algum jogo, você tem automaticamente o direito de poder xingar os desenvolvedores do game de todas forma possíveis? Não. Você tem um direito: Não jogar se o aplicativo não te agrada. Simples.

Tudo que você leu por ai, como “o criador tirou o game do ar por ser viciante” “criador tira Flappy Bird por medo de processo”, etc, é falso. O real motivo que vários gamers americanos e europeus afirmam, e eles estão desde sábado levantando argumentos, é justamente pelos ataques pessoais ao Nguyen. Imagine receber mais de 20 ou 30 mil xingamentos via twitter por causa do seu produto ou então por causa da sua nacionalidade.

Também se agrega o fato dele não andar mais tranquilo pela rua, temia pela sua segurança, vinha tirando seu sono e ele não sabia mais o que fazer. “‘Flappy Bird’ foi projetado para ser jogado em poucos minutos em um momento de relaxamento”, comenta Dong, e que com a explosão do aplicativo que existia desde maio de 2013 “Minha vida deixou de ser confortável como antes” explica o criador do jogo.

Fica muito claro que mesmo com os ganhos de US$ 50 mil dólares por dia (cerca de R$ 119 mil), não foram capazes de segurar o criador do jogo. Realmente a tranquilidade de Nguyen era algo primário para ele. Tanto que ao ser perguntado sobre a decisão de perder a possibilidade de montar uma fortuna, sua resposta foi  “Eu não acho que seja um erro. Eu pensei bastante”. Mesmo assim Dong continua recebendo toda essa grana porque a renda é baseada nos anúncios dos jogos já instalados em celulares e tablets. Mas infelizmente não existem mais possibilidades de conseguir o aplicativo através das lojas convencionais.

Tradução: “Eu vou te matar, seu filho da p*ta”

Moral da história: Não seja um gamer chato achando que a dificuldade do jogo te dá superpoderes de poder discutir ou implicar com alguém apenas porque perdeste a jogada. Keep calm e deixa de recalque (apesar de eu odiar a palavra recalque, porque ela não significa inveja. E sim um problema psicológico muito mais complexo que envolve até condições psicossomáticas – ah… aqui eu fui chato mesmo. Algo como o Ted do How I Met Your Mother).

Pior que eu tinha feito um vídeo semana passada sobre Flappy Bird e outros jogos também.

Vê ae!

Então pessoal, era isso.

Até semana que vem!

Se inscrevam no meu canal, me sigam no twitter, comentem esse post e muita alegria pra maioria de vocês que deve estar entrando de férias do colégio e faculdade. Semana que vem eu tento pegar outro assunto legal pra falar com um pouco de nostalgia e bizarrice dos jogos no mundo.

Abração!

Leia também:

Parte 1Parte 2Parte 3Parte4Parte 5Parte-6Parte-7Parte-8Parte-9Parte-10Parte-11Parte-12Parte-13Parte-14 Parte-15Parte-16Parte-17Parte-18Parte-19Parte-20Parte-21Parte-22Parte-23Parte-24Parte-25Parte-26Parte-27Parte-28Parte-29Parte-30Parte-31Parte-32 Parte-33

Este website utiliza cookies