5 grandes companhias de jogos que foram à falência (ou quase)

Apesar do Critical Hits tentar ser um lugar um pouco mais descontraído do que o seu site de notícias (seja ele sobre jogos ou não) normal, no fim das contas, videogames são uma indústria e coisas chatas como vendas, lucro, dívidas etc são importantes sim, ainda mais quando uma companhia não consegue vender o suficiente para se manter de pé e tem que fechar as portas, ou quase isso. No post de hoje, eu separei 5 companhias que faliram, ou quase isso, pois no fim das contas a maioria delas acabou sendo absorvida por algum concorrente.

1. SNK

A SNK foi uma das empresas mais importantes do mundo dos games nos anos 90, seja pelo fato de possuir um videogame que custava o PIB da Argentina, seja pelos excelentes jogos em duas dimensões. Isso, na verdade, foi uma benção e uma maldição ao mesmo tempo, porque a companhia nunca conseguiu se modernizar e atender aos desafios da nova geração de videogames, que se iniciava no fim dos anos 90 e início dos anos 2000.

Isso, e a queda na renda dos jogos de luta, como The King of Fighters, acabaram levando a companhia à falência em 2002 e a uma subsequente absorção dela pela Playmore, companhia que ninguém conhecia até então. Hoje em dia, a SNK existe no nome de SNK Playmore e ainda vive do passado, principalmente de títulos como The King of Fighters (apesar da série ter recebido um título novo recentemente) e trezentos relançamentos de Metal Slug para todas as plataformas possíveis e imagináveis.

2. THQ

A THQ era uma companhia cheia de séries interessantes, como Saint’s Row, Darksiders e Metro e, acreditem, ela estaria por aí ainda se não tivesse feito uma cagada sensacional chamada udraw, um jogo de desenhar que vinha com uma prancheta, algo tipo um Mario Paint da vida. Vocês sabem quanto foi o prejuízo dessa brincadeira? 56 milhões de dólares, o suficiente para fazer a companhia não conseguir se recuperar e em seguida ter todas as suas propriedades intelectuais vendidas.

3. Atari

A Atari é uma companhia que já faliu umas 20 vezes. Em 1984, a companhia foi separada em duas, a Atari Corporation e a Atari Games. Em 1996 a Corporation foi absorvida pela JT Storage, que foi comprada pela Hasbro em 1998 e renomeada para Infogrames Interactive, que foi renomeada para Atari, que absorveu logo em seguida a Atari Games. Nesse ano, a companhia pediu pra sair após uma seca nos lançamentos e uma situação financeira cada vez pior.

4. Square

A SquareSoft era a companhia dos sonhos da minha adolescência. Eles fizeram praticamente todos os RPGs que eu joguei no PlayStation sempre seguindo uma fórmula de sucesso: história bem construída, bons diálogos, gráficos lindos, cenas de computação gráfica, trilha sonora impecável e… Por que não fazer um filme com isso tudo? Não tinha como dar errado, né? Pois é, deu.

Final Fantasy: The Spirits Within foi o nome do filme que quase botou uma companhia de jogos no buraco. O filme foi todo feito em computação gráfica e custou um pentilhão de dólares para ser feito. No fim das contas, ele deu um prejuízo monstruoso pra Square e essa se forçou a unir-se à Enix, companhia rival dela no Japão (Final Fantasy e Dragon Quest são as duas séries mais populares de RPG por lá), originando a Square Enix, companhia que hoje anda bem mal das pernas.

5. Midway

A Midway, para o caso de vocês não lembrarem, era uma companhia de grande sucesso nos anos 90, responsável por Mortal Kombat e NBA Jam, dentre outros jogos que todo mundo já jogou um pouco. O que aconteceu no meio do caminho para ela decair tanto? Provavelmente o mesmo que a SNK enfrentou: dificuldade de se adaptar às mudanças do mercado.

Um Mortal Kombat ruim após o outro, a companhia foi sangrando dinheiro cada vez mais até ter suas propriedades intelectuais vendidas. Hoje em dia, NBA Jam é da Electronic Arts e Mortal Kombat é da Warner Bros. Studios.

Publicado por

Este website utiliza cookies. Para mais informações, consulte nossa política de privacidade.

Leia nossa política de privacidade