3 momentos que mexeram com o jogador – Parte 2

Existem jogos que simplesmente marcam de forma diferente e pessoal. Claro que cada um vai reagir a determinadas situações, tanto na vida como nos jogos, de forma diferente, e o que pode ser tocante pra alguns pode não ser grande coisa para outros, mas quem disser que nunca sentiu nenhuma das emoções transmitidas pelos personagens de um jogo, ou de qualquer obra de ficção, muito provavelmente estará mentindo.

Por isso, hoje selecionei mais três momentos que, de alguma forma, mexeram comigo, e me fazem, de alguma forma, lembrar exatamente o que aconteceu e como aconteceu. Vale enfatizar, novamente, que esse artigo, não só contém spoilers, como é feito de spoilers, então vou até negritar de novo a palavra Spoiler, só para deixar mais claro.

História de Dom em Gears of War 3

Era previsível, todo mundo viu que ia acontecer, mas nem por isso foi menos deprimente. Tudo bem que era estranho ver aqueles marmanjos com bíceps maiores do que o tronco de algumas pessoas – eu me incluo nessa lista – chorosos e sentimentais, mas não tinha como não ficar de coração partido com Dom: Toda a vida dele se resumia na busca por sua amada, Maria, que havia sido separada dele durante o ataque Locust.

Encontrá-la morta era algo que, mesmo sendo uma grande possibilidade durante o jogo, não seria muito bom para Dom, pra dizer o mínimo.  Todo mundo sabia que o rapaz não lidaria bem com a perda, e toda reação dele foi de cortar o coração. Mas ainda ia doer muito mais, quando Dom, diante do maior ataque Locust até então, se atirou com um veículo em uma pilha de explosivos, salvando seus amigos e, obviamente, sendo um kamikaze no processo. Foi provavelmente o momento de maior heroísmo dessa geração que se passou.

“Yoga?”

Quem disse que pra ser um momento marcante é necessário que ele seja triste ou pesado?  Esse momento, que se tornou o meu preferido em GTA V, mexeu bastante comigo, mas não foi trágico. Muito pelo contrário, foi a realização de um sonho que durara o jogo inteiro até então.

Muitas vezes, o esquema de três protagonistas do jogo causava certos contrastes: A insanidade de Trevor, a busca pelas chances de subir na vida de Franklin… E a tristeza de Michael. Ok, o cara era rico e realmente tinha uma casa incrível, mas perdeu a família inteira por falhas dele e ainda viu sua mulher tendo casos com instrutores de tênis e de yoga. Essa não é exatamente a minha definição de uma vida boa.

Então, foi com grande satisfação que eu pude ver Michael pegando o notebook de uma moça da mesa ao lado e  batendo na cara de Fabien, aquele instrutor de yoga com sotaque irritante, nocauteando o rapaz e iniciando a reconquista de sua família.

Morte de David em The Last of Us

Esse não é pela morte em si, mas sim pela forma que aconteceu. David com certeza estava na lista de pessoas que mereciam morrer. Além de sequestrar Ellie e se revelar O vilão do jogo, o cara era um pedófilo sujo e mau caráter. E você, na pele de Joel, estava desesperado pra salvá-la desse maníaco, e corria com todas as suas forças pelo local.

O jogo foi genial na transição do controle entre a luta de Joel com todo o vilarejo para chegar onde Ellie estava, e o controle da própria naquele restaurante. Eu já estava pronto para aquele velho clichê de chegar ao local no instante que Ellie não conseguisse mais se defender e salvá-la com um tiro perfeito no momento perfeito.

Mas não, The Last of Us não permitiria algo tão comum, e a transição entre “Vou salvar a menina desse pedófilo maluco” para “Vou tirar a menina de cima do cadáver desfigurado desse pedófilo maluco”, quando Ellie protagonizou o momento de maior e mais puro descontrole na história do jogo, causou um choque incrível e foi um dos momentos mais memoráveis de 2013.

Gostou? Confira a outra parte: Parte 1

Vander Lissi

Vanderlei Rodrigues Lissi é colaborador do Critical Hits. Mascote da equipe, ele, que prefere ser chamado de Vander,talvez por não aguentar mais piadinhas na pré-escola com aquele técnico de futebol, até hoje ainda acha que Pokémon Stadium é o melhor jogo dos monstrinhos de bolso.