Desde que a desenvolvedora Metanet Software Inc. lançou N+, a sequência do simples e excelente N, seu jogo tem sido considerado a “perfeição em plataforma”. Não é difícil encontrar tal expressão em reviews do game, muito menos nos anúncios oficiais dos criadores que levaram 12 anos para aperfeiçoar em games. Agora, dois anos depois de seu lançamento inicial, N+ evoluiu para N++ (NPLUSPLUS) e finalmente chegou ao Nintendo Switch. Temos a perfeição em plataforma na plataforma perfeita para platformers.

Se você nunca ouviu falar do game, deve ser estranho imaginar a palavra “perfeição” ser relacionada a um jogo com gráficos feitos apenas de linhas, círculos e quadrados, sem texturas ou gradientes. Pode parecer que estamos elogiando um jogo da época do Atari 2600 apenas pelo saudosismo e que um jogo do tipo não vale mais de R$ 10 em promoção dos dias de hoje. Esse não é um pensamento errado, tendemos a julgar um livro (ou jogo) pela capa com bastante frequência, mas, se me permite interferir no seu julgamento, o único “contra” de N++ são justamente os gráficos simples.

Dito isso, minha missão agora é destacar os pontos fortes do game e o porquê dele ser considerado tão bom. É possível que eu falhe nessa missão, já que a qualidade de N++ não pode ser absorvida através de screenshots ou vídeos, é algo que se sente jogando e só é entendido quando várias fases consomem o nosso tempo sem nos darmos conta.

NPLUSPLUS Metalic Tang

Em NPLUSPLUS controlamos um ninja feito de palitos que está preso em uma sequência interminável de cenários com armadilhas mortais. O objetivo é chegar até a saída dentro do tempo limite, coletando o máximo de ouro possível durante o caminho.

A jogabilidade é tão simplista quanto os gráficos, sendo constituída apenas de movimentos para a esquerda, direita e saltos. Isso faz com que o jogo seja muito mais difícil do que parece. Todas as suas fases constituem desafios onde devemos usar a física e os obstáculos a nosso favor para chegar à saída.

Para vencer os níveis do jogo, que são cada vez mais desafiadores, é necessário dominar não só os movimentos do personagem, mas também o timing e a física. Pule um segundo antes ou um segundo depois e um laser transforma você em pedaços. Caia de uma plataforma elevada direto no chão queto e teje esmagado. Esqueça de incluir um momento sequer em seus cálculos e é melhor refazê-los, pois você estará de volta ao início da fase.

As fases iniciais são compostas apenas de desnivelamentos e espinhos, mas logo outros elementos são adicionados, como robôs, mísseis que perseguem o personagem, lasers que disparam apenas em certos pontos, plataformas móveis, dentre outras coisas. Caso qualquer uma dessas coisas acerte o personagem, as juntas dele são instantaneamente desfeitas e ele se torna apenas uma pilha de palitos (que geralmente voam pelo cenário).

N++ é um jogo difícil e você vai morrer muito, mas muito mesmo jogando. Apesar disso, em nenhum momento ele parece ser injusto, te fazendo morrer de propósito ou colocando desafios complicados demais para serem vencidos. A dificuldade geral é gradativa, com cada fase de um mesmo mundo mantendo uma média de dificuldade que garante que nenhum jogador largará o game porque ele de repente ficou difícil demais.

Na verdade, os únicos que largarão N++ são aqueles que julgarem o game por aquilo que ele não é. Temos aqui um jogo simples com mecânicas de tempo e física perfeitas que exige perfeição do jogador. Ele não é mais nem menos que isso.

Além de possuir centenas de fases saídas das mentes incríveis de seus criadores, NPLUSPLUS ainda conta com um completo editor de fases que lhe possibilita criar seus próprios níveis e compartilhá-los com a comunidade. Eu não cheguei nem à metade das fases que o jogo oferece, mas tenho certeza que nenhuma delas chega perto daquelas criadas pelos próprios jogadores.

NPLUSPLUS Globins

Outro ponto alto de N++ é a trilha sonora formada por músicas eletrônicas que combinam com os elementos do jogo e oferecem imersão mesmo nas fases mais difíceis. Elas são todas compostas por frequências baixas que ajudam o jogador a se concentrar e entrar no ritmo dos desafios.

Posso dizer que foi no Nintendo Switch que o jogo alcançou seu status máximo. Apesar de ser um platformer incrível, NPLUSPLUS dificilmente me atraía no PC em meio de tantos jogos, provavelmente por ser um jogo casual em uma plataforma em que passo horas imerso. Já no Switch podemos jogar apenas uma série de fases em qualquer lugar, apenas para passar o tempo.

O desempenho do game na plataforma da Nintendo é excelente, rodando sempre a 60fps, e os comandos funcionam bem tanto nos analógicos quanto no mini d-pad do portátil. Caso esteja considerando comprá-lo em alguma plataforma, certamente o Nintendo Switch é o lugar perfeito para isso.

Review elaborado com uma cópia do jogo para Nintendo Switch fornecida pela distribuidora.

Rafael Oliveira faz análise de jogos, filmes e séries regularmente para o Critical Hits, além de postar notícias e artigos esporadicamente. Acha que Shadow of the Colossus é o melhor jogo já feito, é fanboy de Steins;Gate e tem um lugar especial no coração para Platformers, RPGs e Metroidvanias.

Compartilhe