Observação: Esse review comenta sobre as novidades introduzidas ao jogo no remaster para PS4 e Xbox One. Caso você queira ler nossos comentários sobre jogabilidade, história e tudo mais, leia nosso review original do jogo aqui.

Há pouco mais de um ano, a Rockstar mostrou como a escala poderia ser empregada num sandbox, introduzindo uma cidade gigantesca e não uma, mas três histórias de três personagens principais que se interconectam e entregou um dos melhores jogos de todos os tempos. Trevor, Michael e Franklin certamente atraíram seus fãs e GTA V foi um dos jogos mais vendidos e premiados do ano.

Avance doze meses disso e temos o primeiro relançamento do jogo (o segundo acontece no começo de 2015 para PC) para PlayStation 4 e Xbox One. A novidade anunciada para o jogo é um modo em primeira pessoa, gráficos melhorados e novidades para GTA Online, além de alguns easter eggs engraçados como poder jogar como uma galinha. Será que GTA V vale a nova compra?

Bom, eu começo respondendo a pergunta com “sim!” e “não!”, já que essa é a resposta padrão para todo e qualquer remaster. GTA V é basicamente o mesmo jogo que você jogou no PlayStation 3 e no Xbox 360. Fazendo uma analogia rápida, ele é o modelo 2014 de um carro inovador lançado em 2013. Algumas melhorias, alguns erros corrigidos, uma novidade ou outra, mas longe de ter a intenção de reinventar a roda.

Mas vamos falar de coisas novas então. Eu não gostei do modo primeira pessoa. Como GTA V é um jogo de tiro baseado em cover, usar o modo em primeira pessoa para trocar tiros significa que o seu personagem vai ficar encarando uma parede boa parte do tempo e sair todo desengonçado da parede pra atirar nos inimigos. O combate realmente ficou prejudicado com esse modo.

Executar outras atividades em primeira pessoa também é meio estranho, como no começo do jogo quando você tem que invadir a casa do Michael usando o Franklin, é engraçado ver ele tropeçando e embolotando quando cai, mas de certa forma, a impressão geral que fica é que, definitivamente, GTA V foi concebido para ser um jogo em terceira pessoa e jogar em primeira pessoa é o equivalente a usar os sapatos com os pés invertidos, muito engraçado, porém nada funcional.

Outra novidade é que os loading times quase deixaram de existir. Sério, se tinha algo que realmente me irritava quando eu ia jogar GTA V no meu PlayStation 3 era o fato do jogo demorar quase 4 minutos pra carregar. Dava pra cozinhar um miojo e o jogo não ia ter acabado o carregamento. No PlayStation 4 esse tempo é bem menor, o que é uma benção pra quando a gente esquece de trocar o idioma do console pro português e tem que sair do jogo só pra fazer isso.

Além disso, o modo online de GTA V ficou maior e melhor, agora é possível jogar com mais jogadores, os tempos de carregamento são menores e, de um modo geral, é como se o jogo finalmente tivesse encontrado toda a potência da qual necessita para mostrar o que pode. Não que GTA V não fosse já um jogo sensacional nos consoles da geração passada, o que a Rockstar conseguiu tirar do PlayStation 3 e do Xbox 360 foi incrível, mas nada como ter mais gordura para queimar para mostrar realmente todo o potencial que o jogo tinha.

Infelizmente, GTA V sofre os problemas habituais de todo remaster: você já jogou o jogo, então você já sabe o que esperar em termos de história e de conteúdo. Toda adição feita ao jogo desde o seu lançamento tem sido no modo online, não há mais atividades para se fazer em Los Santos nem mais histórias para descobrir, o que pode não ser dos melhores incentivos a quem não achou o jogo tão revolucionário assim.

Graficamente, GTA V no PS4 e no Xbox One ficou muito bom. O jogo já era muito bonito nos consoles da geração passada, mas nos da atual ele ficou muito mais definido e bonito. Há o eventual slowdown na versão de PS4 quando você está dirigindo, mas longe de ser algo constante e que atrapalhe a diversão.

A trilha sonora do jogo também continua excelente e o game ganhou uma cacetada de músicas novas. As dublagens continuam muito boas e, como na versão de PS3 e Xbox 360, o jogo vem legendado em português, mas sem dublagem no nosso idioma.

Review elaborado usando a versão de PlayStation 4 do jogo. Cópia fornecida pela Rockstar.

Eric Arraché Gonçalves é o Fundador e Editor do Critical Hits. Desde pequeno sempre quis trabalhar numa revista sobre videogames. Conforme o tempo foi passando, resolveu atualizar esse sonho para um website e, após vencer alguns medos interiores, finalmente correu atrás do sonho.

Compartilhe