Eu ainda me empolgo bastante com qualquer coisa que me faça lembrar de Baldur’s Gate. Sinto uma saudade tremenda de jogos onde você explora os mapas vendo os personagens de cima e aos poucos vai resolvendo encontrando novos inimigos, localidades e desafios.

Também sempre gostei de jogos que possuem algum mistério pra resolver, e talvez seja por isso que tenha me empolgado tanto com No Trace With The Furies, um jogo que promete ser o primeiro “RPG policial procedural” que se tem conhecimento até agora.

Por enquanto não se sabe muito sobre o jogo e os dois vídeos abaixo dão porquíssimas informações adicionais sobre ele. De qualquer forma, já se sabe que o foco do game será o diálogo e que você poderá guardar “pensamentos” no seu inventário para resolver os mistérios do game.

Os próprios desenvolvedores já declararam que o game possui forte inspiração em títulos como Planescape Torment e Kentucky Route Zero, e pelas imagens dá pra ver que ele se parece bastante com Tiranny e outros games recentes da Paradox. A data de lançamento oficial ainda não foi divulgada, mas espera-se que o game fique disponível ainda esse ano.

Mal posso esperar pra conferir o que nos aguarda em No Truce With The Furies.


Você já faz parte do nosso Grupo no Facebook? Faça já parte e interaja com os redatores e outros leitores do site! Link para o grupo: https://www.facebook.com/groups/criticalhitscombr/

Torne-se um patrão do site!

Você sabia que ao tornar-se um patrão do Critical Hits, você ajuda o site a continuar crescendo e ainda ganha vantagens exclusivas como acesso a um design mais clean sem propagandas, Critical Cast 5 dias antes de todo mundo e acesso ao nosso grupo secreto no Facebook/Whatsapp? Torne-se já um patrão você também!

Você já ouviu o Critical Cast dessa semana?


Gostou? Compartilhe!


João Víctor Balestrin Sartor é colaborador e sex-symbol do Critical Hits. Admirador das boas histórias, almeja de verdade escrever um livro algum dia. Divide seu tempo entre à leitura, jogatina, trabalho, engenharia e quando sobra tempo, vive.



Comentários